carnaval de ofertas

Rio Negro fornece mais de 700 milhões de litros de água por dia para Manaus

Segundo a Águas de Manaus, nem mesmo a seca histórica de 2023 — a pior em 121 anos — prejudicou a capitação. Da navegação às torneiras, o Rio Negro conduz a rotina em Manaus. É dele que saem mais de 700 milhões de litros de água por dia para abastecer a capital. Segundo a Águas de Manaus, nem mesmo a seca histórica de 2023 — a pior em 121 anos — prejudicou a capitação. "A concessionária realiza avaliações diárias considerando a estiagem e a cheia, com planos de ação para cada cenário", ressalta a empresa, responsável pelo abastecimento na cidade. O Rio Negro, conhecido por formar o Encontro das Águas com o Rio Solimões, tem alto índice de acidez, por causa da quantidade de material decomposto presente na água. O pH do Negro varia de 3,8 a 4,9, enquanto o do Solimões fica entre 4,5 e 7,8. No entanto, antes de chegarem aos imóveis de Manaus, os 700 milhões de litros captados do Rio Negro passam por tratamento e controle de qualidade. O engenheiro civil Semy Ferraz garante que é possível beber a água direto das torneiras sem preocupação. especialista em saneamento Básico e Gerente de Responsabilidade Social Da lata na cabeça às casas Hoje, o serviço de abastecimento de água tratada está universalizado na capital, de acordo com a Águas de Manaus. Isso quer dizer que a água chegou a todas as zonas. Nem sempre foi assim. Em 1995, quando chegou à comunidade Riacho Doce 2, bairro Cidade Nova 1, Zona Norte, Elenira de Aquino Santos e a família improvisavam. "Na época, nós puxamos uma mangueira preta da rua principal, que tinha uma "encanação maluca" com várias entradas", lembra. A mangueira era compartilhada com os demais vizinhos. "Não tinha briga, mas tinha aquela conversa básica com a pessoa para pegar [a torneira] de volta", detalha. Problema crônico nos anos 1900, a falta de água acompanhou a virada do século 20 para o 21 em Manaus. O g1 resgatou uma matéria veiculada pela Rede Amazônica em 2007 que mostra a realidade da época (assista, abaixo): A reportagem, assinada pela então repórter Luziane Figueiredo, informava que mais 400 mil pessoas tinham "água por apenas algumas horas do dia". A situação, segundo a matéria, tinha obrigado governo e prefeitura a decretarem emergência, no ano anterior, 2006. Falta de água e oscilações no fornecimento eram pauta não apenas nos telejornais, mas também nos famosos "programas do meio-dia". O início dos anos 2000 marcou a entrada da iniciativa privada na cidade. A Águas de Manaus chegou em 2018, quase duas décadas depois. De acordo com a empresa, em pouco tempo de atuação, o cenário mudou. A concessionária afirma ter investido mais de R$1 bilhão em cinco anos. "Desde que chegou em Manaus, a concessionária realizou um trabalho de mapeamento das áreas que não contavam com estrutura regular de água", destaca. "Com isto, mais de 200 mil pessoas passaram a ter acesso ao serviço", completa. Em Manaus, a concessionária decidiu entrar em áreas como becos, rip raps e até palafitas, imóveis de madeira construídos com assoalho para períodos de cheia (enchente). Nesses locais, o emaranhado de mangueiras descrito pela dona Elenira deu lugar a tubulações envelopadas. As duas montagens a seguir mostram como era antes e como ficou uma mudança de tubulação feita no bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus: Projeção Até 2039, a Águas de Manaus prevê R$ 4,4 bilhões em investimentos. Para os próximos cinco anos (2023-2027) o montante será de R$ 1,8 bilhão.

source https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/10/31/rio-negro-fornece-mais-de-700-milhoes-de-litros-de-agua-por-dia-para-manaus.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem