'Podíamos ter perdido nosso filho; ele quase morreu', diz pai de náufrago brasileiro resgatado em bote salva-vidas no meio do mar


Marcelo Osanai, 38 anos, estava navegando pelo Oceano Atlântico, a mais de 2 mil quilômetros da África do Sul, com outras duas pessoas, quando embarcação enfrentou problemas. Um dos tripulantes acabou morrendo. Marcelo Osanai e foram resgatados por navio petroleiro, a 2,4 mil km da Cidade do Cabo Samsa/Divulgação O brasileiro Marcelo Osanai, de 38 anos, passou por momentos de terror ao escapar com vida de um veleiro que naufragou a 2 mil quilômetros da costa da África do Sul. ✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp Ele e um amigo, o suíço Balthasar Wyss, 52 anos, conseguiram embarcar em um pequeno bote salva-vidas --e, graças a um dispositivo de emergência, foram localizados por um petroleiro argentino no meio do Oceano Atlântico. Havia três pessoas a bordo do veleiro que naufragou: o comandante do veleiro, o suíço Benno Frey, 72 anos, não saiu da embarcação a tempo e morreu afogado. O naufrágio ocorreu na madrugada de 14 de março e o resgate ocorreu na tarde do mesmo dia. "Eu não conseguia nem falar, a gente ficou emocionado, podíamos ter perdido nosso filho, ele quase morreu", disse ao g1 Nelson Osanai, pai de Marcelo. Nelson diz que falou com Marcelo quando o filho ainda estava no petroleiro: “Ele falou que estava bem de saúde, mas que ficou abalado e não quis falar do incidente. Tanto ele como o Balthasar passaram por um momento difícil e traumático, e eles querem um tempo para processar [o que aconteceu]”, afirmou. Marcelo e Balthasar chegaram à África do Sul quatro dias depois do naufrágio, dia 18 de março. O irmão de Marcelo, que vive na Suíça, o aguardava na Cidade do Cabo. Os dois tripulantes foram socorridos em boas condições de saúde. O brasileiro está recebendo auxílio da Embaixada do Brasil na África do Sul. Sem detalhes Ao relembrar o naufrágio, Marcelo não conseguiu descreveu em detalhes o que aconteceu, segundo o pai: "O barco dele colidiu com algo. Os especialistas dizem que esses acidentes podem acontecer com contêineres que caem no mar e ficam boiando. Pode ter sido isso." Até a tragédia acontecer, Nelson e a mulher estavam acompanhando a viagem do filho por meio dos dispositivos de localização --e tudo corria bem. "A gente recebia mensagem da posição do veleiro todos os dias, entrávamos em um site e sabíamos onde ele estava. Nós estávamos relativamente tranquilos, ele estava curtindo o trajeto. Ainda bem que o veleiro era moderno e tinha aparatos de rastreamento", diz. Ao receber ligação do filho pela primeira vez, Nelson pensou se tratar de um golpe, porque o prefixo era de outro país. "Depois, ele mandou mensagem por aplicativo de mensagem. Ele nos tranquilizou", diz. O naufrágio Marcelo Osanai estava no veleiro suíço Nina Pope, que deixou o Rio de Janeiro e 27 de fevereiro. Em 12 de março, a embarcação fez uma parada no território ultramarino britânico de Tristão da Cunha, no meio do Oceano Atlântico. O destino era a Cidade do Cabo, na África do Sul. A Autoridade de Segurança Marítima da África do Sul (Samsa, na sigla em inglês) informou que, por volta da meia-noite do dia 14, recebeu uma notificação informando que um grupo de marinheiros estava enfrentando problemas. Além do brasileiro, o grupo era formado por um tripulante e um capitão suíços. A embarcação tinha 16 metros de comprimento e cerca de 5 metros de largura. De acordo com a Samsa, antes do naufrágio, o brasileiro e o suíço embarcaram em um bote salva-vidas. No entanto, o capitão do veleiro não conseguiu ir para o bote e afundou junto da embarcação. As autoridades informaram que ele não resistiu e morreu. O veleiro Nina Pope antes de naufragar no Oceano Atlântico Samsa/Divulgação O brasileiro e o suíço levaram consigo dispositivos de emergência que continuaram enviando informações precisas de localização às autoridades, o que ajudou no resgate. Com base nessas informações, o Centro de Coordenação de Resgate Marítimo da Cidade do Cabo enviou uma mensagem via rádio a um navio petroleiro que havia saído da Argentina e navegava pelo Oceano Atlântico, nas proximidades de onde o naufrágio aconteceu. Durante a tarde do dia 14, o navio petroleiro informou que tinha avistado o bote salva-vidas com dois sobreviventes. Em seguida, a embarcação foi posicionada para fazer o resgate. Naquele momento, o mar estava agitado, com ondas de até 8 metros e ventos de 74 km/h. Segundo a Samsa, o bote salva-vidas em que estavam o brasileiro e o suíço foi localizado a cerca de 2.400 km da Cidade do Cabo. Brasileiro e suíço após serem resgatados em alto-mar por navio petroleiro Samsa/Divulgação Cronologia 27 de fevereiro Marcelo Osanai, de 38 anos, embarcou em um veleiro no Rio de Janeiro em 27 de fevereiro com destino à África do Sul. Além dele, havia outras duas pessoas, Benno Frey, o capitão do barco, e Balthasar Wyss, um outro tripulante. 12 de março O veleiro fez uma parada em na ilha de Tristão da Cunha, no meio do Oceano Atlântico. Depois, os três navegantes seguiram viagem rumo à Cidade do Cabo, na África do Sul. 14 de março A Autoridade de Segurança Marítima da África do Sul recebeu uma notificação informando que o veleiro estava com problemas. Marcelo e Balthasar entraram em um bote. Benno, o capitão, ficou no veleiro e afundou junto com a embarcação. Marcelo levou equipamentos que permitiram que ele e o outro náufrago fossem localizados. Um petroleiro se aproximou e resgatou os dois. Marcelo ligou para os pais, no Brasil, para relatar o que havia acontecido. 18 de março Marcelo e Balthasar chegaram à África do Sul. O irmão de Marcelo, que mora na Suíça, já o aguardava na Cidade do Cabo. Os dois tripulantes foram socorridos em boas condições de saúde. A autoridade sul-africana informou que o brasileiro está recebendo auxílio da Embaixada do Brasil no país. VÍDEOS: mais assistidos do g1

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2024/03/21/podiamos-ter-perdido-nosso-filho-ele-quase-morreu-diz-pai-de-naufrago-brasileiro-resgatado-em-bote-salva-vidas-no-meio-do-mar.ghtml
Close Menu