Caso Geovana: Pai é condenado a mais de 25 anos de prisão por matar filha e enterrar corpo dentro de casa em Jacareí, SP


Crime aconteceu no dia 20 de maio de 2022. Sidnei Martins dos Santos foi a júri popular, nesta quarta-feira (20), por homicídio qualificado e ocultação do cadáver. Pai é condenado a mais de 25 anos de prisão por matar filha e enterrar corpo dentro de casa em Jacareí, SP Bruna Capasciutti/TV Vanguarda Sidnei Martins dos Santos foi condenado a mais de 25 anos de prisão em regime fechado por matar e enterrar a própria filha dentro de casa, em Jacareí (SP). A condenação foi feita após o júri popular realizado nesta quarta-feira (20) na cidade. O caso teve grande repercussão em 2022. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp Sidnei foi condenado por homicídio duplamente qualificado - por motivo fútil, com emprego de meio cruel, mediante recurso que dificulte ou torne impossível defesa da vítima e com violência doméstica contra mulher - e também por ocultação do cadáver. De acordo com a acusação do Ministério Público, Geovana da Costa Martins foi morta pelo pai, por asfixia mecânica. Depois do assassinato, ele deixou o corpo da menina na cama para evitar chamar a atenção da vizinhança com barulhos durante a noite. No dia seguinte, enterrou a menina no quarto do filho. Pai acusado por matar e enterrar o corpo da filha em casa passou por júri popular em Jacareí Rauston Naves/TV Vanguarda O júri considerou o pai culpado pelo crime, condenando ele a 25 anos e nove meses de prisão em regime fechado. Com a decisão, por volta das 23h Sidnei foi levado de volta para o Centro de Detenção Provisória de Guarulhos (SP), onde já estava preso. Ele deve ser transferido para outro presídio em breve. O júri popular é adotado em crimes contra a vida, como homicídio e latrocínio, por exemplo. Sete cidadãos comuns - sendo quatro homens e três mulheres - foram escolhidos por sorteio entre 25 pessoas para formar o conselho de sentença, para decidir se o réu era culpado ou inocente. Homem acusado de matar a filha de 13 anos é julgado em Jacareí O julgamento contou com o depoimento de testemunhas de defesa e acusação. Sidnei optou por ficar em silêncio durante o julgamento - veja abaixo como foi o júri. Ao g1, o advogado de defesa de Sidnei, William de Souza, afirmou que vai recorrer da decisão. Tribunal do Júri, onde aconteceu o julgamento, em Jacareí Rauston Naves/TV Vanguarda Veja como foi o júri O julgamento teve início por volta das 10h30 desta quarta-feira (20), com a chegada de Sidnei ao Fórum de Jacareí. Ao todo, cerca de 80 pessoas acompanharam o júri, entre elas estavam familiares, amigos de Geovana e estudantes de direito. Parte do público vestia camisetas com a foto da adolescente assassinada. Por volta das 11h, houve a escolha dos jurados para compor o júri, sendo selecionados quatro homens e três mulheres. Pai acusado por matar e enterrar o corpo da filha em casa passou por júri popular em Jacareí. Bruna Capasciutti/TV Vanguarda Na parte da manhã, prestaram depoimento testemunhas de acusação, como o chefe dos investigadores da Polícia Civil, um investigador de polícia e o delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais de Jacareí - que comandou a investigação do caso. Outra testemunha foi Gabriel, irmão de Geovana, que em 2022 chegou a ser preso, mas depois foi liberado, pois a investigação apontou que ele não teve participação no crime. A audiência foi suspensa por volta das 14h30, para o recesso de almoço. Ana Lúcia, mãe de Giovana, prestou depoimento. Rauston Naves/TV Vanguarda No retorno da audiência, Ana Lúcia, mãe de Giovana, prestou depoimento. Ela estava trabalhando no momento em que a filha foi morta pelo ex-companheiro e, assim como o filho Gabriel, não teve envolvimento no crime, de acordo com a polícia. Durante o depoimento, Ana Lúcia disse que já havia sofrido violência doméstica cometidas por Sidnei, mas que não chegou a registrar o fato na polícia. A mãe da adolescente se emocionou ao contar como o corpo da filha foi encontrado pela polícia e relembrou como era o comportamento de Sidnei após o crime. “Eu perdi o rumo, pedi à Nossa Senhora Aparecida para encontrar minha filha. Ele (Sidnei) comia, bebia e dormia tranquilamente (após o crime)”, disse Ana Lúcia, mãe de Giovana. Pai acusado por matar e enterrar o corpo da filha em casa passa por júri popular em Jacareí Rauston Naves/TV Vanguarda Durante o depoimento de Ana Lúcia, Sidnei ficou com a cabeça abaixada. Foi aberto um momento para que Sidnei falasse na audiência, mas ele preferiu ficar em silêncio durante o julgamento. No final da noite, a promotoria pediu réplica para argumentar sobre o caso. Na sequência, a defesa de Sidnei também pediu tréplica para continuar argumentando sobre o ocorrido para os jurados. Depois dessa fase, os jurados foram até a sala secreta e responderam a quesitos estabelecidos pelo juiz. No fim, o magistrado formulou e leu a decisão do júri por volta das 23h, condenando o réu a mais de 25 anos de prisão. Geovana da Costa Martins dos Santos está desaparecida desde o dia 20 de maio em Jacareí Reprodução/ TV Vanguarda Relembre o crime O crime aconteceu em maio de 2022. Sidnei Martins foi preso e denunciado pelo assassinato e ocultação do corpo da filha de Geovana da Costa Martins, de 13 anos. A adolescente ficou cerca de 20 dias desaparecida e a família mobilizou buscas por ela. A família chegou a dar entrevista à Rede Vanguarda sobre o caso. Na reportagem, o pai contou que estava com ela em casa, quando a adolescente saiu e não foi mais vista. Durante as investigações, a polícia descartou duas hipóteses: a de que ela poderia estar perdida em uma área de mata, já que participava de um grupo de escoteiros; e a de que ela poderia ter se envolvido com algo ilícito antes do sumiço. Pai acusado de matar e enterrar a própria filha em casa em Jacareí vai a júri popular LEIA TAMBÉM: VÍDEO: imagem mostra momento que corpo é encontrado FORJOU SUMIÇO: Em maio, pai disse que filha 'tomou café e saiu' REVOLTA: Policiais evitam tentativa de linchamento Ao fazer buscas no bairro, a polícia encontrou partes de concreto e piso em um terreno baldio e, ao entrarem na casa da vítima, perceberam que os materiais eram similares. Depois da suspeita, fizeram a busca e encontraram o corpo da jovem em um saco enterrado no quarto do irmão. Multidão se reuniu em frente da casa em que o corpo de Geovana foi encontrado Arquivo pessoal Além de Sidnei, o irmão da vítima chegou a ser preso, mas foi liberado após a investigação. Apenas Sidnei foi denunciado pelo crime. O jovem de 20 anos alegou que chegou em casa no dia em que a família havia relatado o sumiço e o pai fazia uma obra em seu quarto. No dia 11 de junho de 2022, o pai da jovem passou por audiência de custódia e sua prisão foi convertida em preventiva. Em 15 de julho do mesmo ano, o Ministério Público o denunciou pela morte da adolescente e pediu o arquivamento da acusação contra o irmão de Geovana. Restos de material de construção, similares ao chão do quarto que foram encontrados em uma área próxima da casa, levaram a polícia a fazer uma investigação no imóvel em que corpo de adolescente foi encontrado enterrado em Jacareí, SP Divulgação/ Polícia Civil Quando a filha sumiu, em maio de 2022, pai disse que Geovana 'levantou, tomou café e saiu' Reprodução/ TV Vanguarda Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina

source https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2024/03/20/caso-geovana-pai-e-condenado-a-mais-de-25-anos-de-prisao-por-matar-filha-e-enterrar-corpo-dentro-de-casa-em-jacarei-sp.ghtml
Close Menu