Lula se reúne nesta quarta com presidente da Espanha; relação comercial entre os países e G20 serão temas abordados

Indefinição sobre acordo entre Mercosul e União Europeia, negociado há mais de 20 anos, também poderá ser pautado no encontro. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reunirá com o presidente da Espanha, Pedro Sánchez, nesta quarta-feira (6), em Brasília. No encontro bilateral, Lula e Sánchez deverão conversar sobre pautas relacionadas ao G20 — grupo que reúne as 19 maiores economias do mundo, além da União Europeia e União Africana. Uma dessas pautas se refere à reforma das instituições de governança global. Alguns exemplos de entidades denominadas assim são Nações Unidas e o Banco Mundial. Atualmente, o Brasil preside o G20. Lula anuncia pacote para motoristas de aplicativo Os líderes de Brasil e Espanha também deverão abordar a relação comercial entre os dois países. De acordo com o Banco Central, a Espanha se consolidou como o segundo maior investidor no Brasil, com presença em setores como energético, bancário, de telecomunicações e de seguros. O estoque total de investimentos por parte da Espanha é estimado em US$ 59 bilhões, com fluxo anual de cerca de US$ 3,3 bilhões nos últimos anos. Segundo o Itamaraty, os conflitos no Oriente Médio e na Ucrânia não ficarão de fora da conversa, em particular a situação humanitária na Faixa de Gaza e as perspectivas de avanço de uma solução de dois Estados. Nos bastidores da diplomacia, outro assunto também é mencionado como possível tema para o encontro entre os dois presidentes são as tratativas do acordo Mercosul-União Europeia (UE). Dificuldades para avanço do acordo Mercosul-UE A proposta de acordo entre União Europeia e Mercosul, negociada há mais de duas décadas, passou por uma série de revisões e exigências ao longo dos últimos anos. Mas as tratativas do acordo comercial sofrem pressão por parte de agricultores — principalmente na França — contrários à aliança, sob o argumento de haveria uma "concorrência desleal" com a entrada mercadorias de países como o Brasil. Em janeiro deste ano, o presidente da França, Emmanuel Macron, pediu à Comissão Europeia que desista do tratado com o Mercosul. Em dezembro do ano passado, ele já tinha se posicionado contra o acordo, ao chamá-lo de "antiquado" e "mal remendado”. Manifestações de países contrários ao texto final do acordo, como é o caso da França, dificultam o avanço da proposta em 2024. A Espanha, no entanto, é um dos parceiros mais alinhados com o Brasil para o avanço das negociações entre os dois blocos. Em 2023, o governo brasileiro tratou como prioridade a revisão do texto proposto junto a outros países que integram o bloco — Argentina, Paraguai e Uruguai. Durante o segundo semestre daquele ano, o Brasil ocupou a presidência rotativa do Mercosul. Na ocasião, Espanha também presidia o Conselho Europeu, momento visto como oportunidade ideal para que o acordo fosse finalizado diante da forte relação bilateral entre Lula e Pedro Sánchez. Nas conversas entre os dois presidentes ao longo do ano de 2023, Pedro Sánchez demonstrou concordar com a necessidade de acelerar a finalização do acordo e se dispôs a manter o diálogo com outros líderes — ao mesmo tempo em que o presidente brasileiro criticava as exigências adicionais incluídas no acordo pela UE. Além de Pedro Sánchez, outra protagonista nas negociações foi Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Lula e Von der Leyen conversaram em diversos encontros, tanto no Brasil como em agendas no exterior, na posição de dialogar pela conclusão do acordo entre os blocos. Apesar da boa relação com a presidente da Comissão Europeia, o cenário para dar continuidade às conversas se mantém incerto. Isso porque o mandato de Von der Leyen chega ao fim neste ano. No entanto, ela deve se candidatar ao cargo novamente. A definição do próximo chefe da Comissão Europeia acontecerá em junho deste ano, após as eleições para o Parlamento Europeu. Macron também virá ao Brasil O presidente francês, Emmanuel Macron, também virá ao Brasil em março. A visita, prevista para ocorrer entre os dias 26 e 28 de março deverá contar com agendas em Belém (PA), São Paulo (SP), e em Brasília (DF). A agenda de Macron no Brasil foi negociada pelo ministro das Relações Exteriores francês, Stéphane Séjourné, durante o encontro de chanceleres do G20 no Rio de Janeiro. O presidente da França chegará ao Brasil por Belém, cidade que sediará, em 2025, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP30. Há chances de Macron aproveitar a passagem por Belém para ir à Guiana —país que faz divisa com o estado do Pará. Em junho de 2023, Lula foi recebido por Emmanuel Macron no Palácio do Eliseu, sede da presidência francesa, em Paris. Na ocasião, os dois presidentes discutiram o acordo Mercosul-União Europeia, além de outros temas.

source https://g1.globo.com/politica/noticia/2024/03/06/lula-se-reune-nesta-quarta-com-presidente-da-espanha-relacao-comercial-entre-os-paises-e-g20-serao-temas-abordados.ghtml
Close Menu