Exemplo para a extrema direita: o que explica proximidade de Bolsonaro com a Hungria?

O Fantástico deste domingo (31) destacou a trajetória do presidente húngaro que corroeu a democracia e se tornou inspiração para a família Bolsonaro. Para entender como o país se tornou porto seguro para alguém como Jair Bolsonaro, é preciso voltar 35 anos no tempo. Exemplo para a extrema direita: o que explica proximidade de Bolsonaro com a Hungria? Em 12 de fevereiro, durante a segunda-feira de carnaval, registros de câmeras de segurança mostraram o ex-presidente Jair Bolsonaro chegando à embaixada da Hungria em Brasília. As imagens foram reveladas esta semana pelo jornal The New York Times e indicam que Bolsonaro passou 43 horas por ali. O episódio originou uma investigação da Polícia Federal sobre os motivos da visita. Segundo os advogados de Bolsonaro, a hospedagem, que incluiu dois pernoites, serviu para "manter contatos com autoridades do país amigo". Na última quarta-feira, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, pediu parecer da Procuradoria Geral da República sobre as explicações dadas pela defesa do ex-presidente. O coordenador do Observatório da Extrema Direita, Guilherme Casarões destaca o motivo da amizade entre Bolsonaro e o governo húngaro. O país tem um regime autoritário e ultraconservadores no poder. "De todos os países do mundo, a Hungria certamente é aquele que mais se alinha com a ideologia do Bolsonaro, com a percepção do Bolsonaro sobre a política", ressalta o Casarões. Quatro dias antes de aparecer na embaixada húngara, Bolsonaro teve o seu passaporte apreendido e viu diversos aliados e ex-assessores sendo investigados por causa dos atos golpistas de 8 de janeiro de 2023. No dia da apreensão do passaporte, o primeiro-ministro da Hungria manifestou apoio a Bolsonaro. Segundo Casarões, a Hungria está propensa a acolher o discurso de perseguição política promovido por Bolsonaro no Brasil como uma estratégia para desviar a atenção da Justiça. "A Hungria certamente compraria ou está muito propensa a comprar o discurso de perseguição política que o Bolsonaro tem tentado vender no Brasilde que ele está sendo perseguido pelas autoridades do judiciário", destaca Guilherme Casarões. De país comunista a exemplo para a extrema direita Para entender como a Hungria se transformou em porto seguro para alguém como Jair Bolsonaro, é preciso voltar 35 anos no tempo, ao dia 16 de junho de 1989, quando a poderosa União Soviética entrou em colapso. O Muro de Berlim estava prestes a cair e os países do Leste da Europa, que viviam sob controle comunista desde o fim da Segunda Guerra Mundial, buscavam se reinventar para um mundo novo. Uma dessas nações era a pequena Hungria. Agora, 35 anos depois, o país é dominado pela extrema-direita. Foi em 1998 que o estudante sonhador Viktor se transformou no político todo-poderoso Orbán, após o partido dele, FIDESZ ganhar a eleição. "Eles chegam já com algumas críticas a essa democracia liberal, mas ainda muito comprometidos, por exemplo, com os processos que levariam a entrada da Hungria na OTAN e mais tarde a entrada da Hungria na União Europeia", explica a professora de História Contemporânea - UFF , Janaína Cordeiro. Mas, em 2002, depois de quatro anos no governo, o partido de Orbán perdeu nas urnas para os socialistas e só conseguiram voltar ao poder em 2010. Janaina destaca a transformação de Orbán e seu grupo durante esse período. "Eu acho que o Órban foi mudando, eu acho que o Fides foi mudando, eu acho que a Hungria foi mudando e acho que a Europa foi mudando. E Essas mudanças todas levaram o partido de Orbán, e ele próprio, para direita. Hoje, extremistas do mundo todo vêm a Hungria como um exemplo a ser seguido. Ultraconservadorismo A Hungria atual, elogiada pelo deputado Eduardo Bolsonaro, rejeita a influência do Ocidente, rejeita os imigrantes, principalmente os do Oriente Médio, assim com o povo roma, antes chamados de ciganos. Além disso, eles não apoiam a autonomia das universidades, juízes independentes, imprensa livre e minorias sexuais. "O nacionalismo atrelado à dimensão religiosa majoritária é talvez a característica mais importante para a gente entender o apelo que a extrema-direita contemporânea tem, inclusive nas ruas", afirma Guilherme Casarões. Denúncia de corrupção Esta semana, milhares de pessoas protestaram em Budapeste, lideradas por um ex-apoiador de Viktor Orbán que agora denuncia corrupção nos escalões mais altos de poder. "Essa última eleição de 2022 foi a primeira vez que se constituiu uma grande frente unificada contra o Fidesz, mas essa grande frente ela tem muito apelo, tem maior apelo na capital e nas cidades grandes e médias. No interior do país, o discurso do FIDESZ e do Orbán ainda tem muito apelo", pontua Janaína. Ouça os podcasts do Fantástico ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.

source https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2024/03/31/exemplo-para-a-extrema-direita-o-que-explica-proximidade-de-bolsonaro-com-a-hungria.ghtml
Close Menu