Por que as cinebiografias de Amy Winehouse e Bob Marley receberam críticas antes mesmo do lançamento?


'Back to Black' está deixando os fãs preocupados e desapontados. Já 'One Love' não animou os críticos de cinema. Entenda os motivos. Cinebiografias de Amy Winehouse e Bob Marley são criticadas antes do lançamento Nas últimas semanas, duas cinebiografias passaram a ser muito comentadas: "Back to Black", da Amy Winehouse, e "One Love", do Bob Marley. Mas esses comentários não foram nada positivos e pipocaram antes mesmo de os filmes serem lançados. Aqui no g1 a gente explica porque esses dois filmes, que eram pra ser uma celebração de dois dos nomes mais importantes da história da música, têm deixado muita gente decepcionada: 'Back to Black' Amy Winehouse no festival Glastonbury, na Inglaterra, em junho de 2008 Ben Stansall/AFP/Arquivo "Back to black" leva o nome do premiado álbum da Amy Winehouse. Foi com ele que a cantora inglesa recebeu cinco estatuetas no Grammy de 2006. O filme é dirigido pela Sam Taylor-Johnson, a mesma que fez o "O garoto de liverpool", sobre a história de um jovem John Lennon. Ou seja: "Back to Black" tinha tudo para dar certo. A diretora disse que o filme sobre Amy conta "uma história maravilhosamente única e trágica da cantora, acompanhada da parte mais importante do seu legado: a música". Mas parece que esse comentário não tranquilizou os fãs. Isso porque no início do mês foram divulgadas várias imagens de cenas do longa. E nos cliques, a Marisa Abela, que interpreta a cantora, aparece com o cabelo super bagunçado e a maquiagem toda borrada, incluindo aquele delineado nos olhos tão característico de Amy. Em outro clique, o ator Jack O'Connell, que interpreta Blake Fielder-Civil, o polêmico namorado da cantora, aparece algemado. Na vida real, Blake foi o responsável por apresentar Amy às drogas. E ainda tem toda a relação problemática deles, com histórico de agressões, traições e internação em conjunto em uma clínica de reabilitação. Amy Winehouse e Blake Fielder-Civil em foto de 2007, quando ainda eram casados Frederick M. Brown/Getty Images/AFP Ou seja: existe essa preocupação dos fãs de que o filme deixe a história da cantora prodígio e de sua carreira excepcional como segundo plano. A partir do que foi divulgado até agora, parece que essas questões tão exploradas pelos tabloides ingleses e sites de fofoca terão o mesmo destaque da parte musical. Na real, o medo é que o destaque seja ainda maior. É claro que é muito complicado analisar uma obra completa sem ter visto o filme. A questão é que, para fãs e parte da imprensa, os produtores estão querendo apenas lucrar em cima dos momentos mais turbulentos da vida de Amy. Além disso, há quem ache que é muito cedo para se fazer uma cinebiografia da cantora. Amy morreu em 2009, aos 27 anos. As imagens e histórias de sua morte ainda são muito recentes e estão claras na cabeça de muita gente. É um caso bem diferenre do que aconteceu com cinebiografias de outros grandes astros, como "Bohemian Rhapsody", que contou a história de Freddy Mercury quase 30 anos após a morte do cantor, e "Elvis", que acompanhou a vida do rei do rock 45 anos depois de sua partida. Sem contar que boa parte da história musical da cantora se desenrolou ao mesmo tempo em que ela enfrentava uma batalha contra as drogas, o álcool e o distúrbio alimentar. E tudo isso, sempre amplamente divulgado e sem nenhum acolhimento. É inegável o fenômeno musical que foi Amy. Mas fica a pergunta: como contar a vida musical da artista sem citar todas essas batalhas? A diretora terá um grande desafio de fazer essa arte sem ferir a história primorosa da artista. E de repente, valeria dar ouvido aos fãs, assim como fizeram os produtores do filme "Sonic", que lá em 2019 receberam muitas críticas quando soltaram o primeiro trailer do filme, e os fãs criticaram duramente o visual do bichinho. A produção foi lá e mudou o desenho do ouriço azul. "One Love" Bob Marley Divulgação O filme de Amy sai em abril. Se achar que as críticas são válidas, a equipe ainda tem tempo de mexer nas cenas ou até adiar o lançamento. Isso já não é mais possível para o recém-lançado "One Love". Só que em vez de o filme ser criticado pelos fãs do Bob, quem meteu o dedo na ferida mesmo foram os críticos. Os únicos elogios são apenas para o ator Kingsley Ben-Adir, que interpreta o ícone do reggae. Só pra se ter uma ideia, a revista Variety escreveu que o filme "flerta com a complexidade, mas desliza pra banalidade da adoração do herói". A revista Time Out disse que o filme tem "intenções sinceras, mas cai muitas vezes no que é banal". Já o jornal Guardian disse que o filme "não decola de jeito nenhum". A Slant Magazine pegou um pouco mais pesado e disse que o filme é "desgrenhado e desarticulado". E o site do falecido crítico de cinema Roger Ebert disse que o longa é "desprovido de perspectiva e originalidade". O Metacritic, site que calcula uma nota de avaliação com base nos reviews dos críticos, está dando 44 pontos dos 100 possíveis. Pra se ter uma ideia, filmes com pontuação entre 40 e 60, são considerados medianos. Ou seja, "One Love", segundo os críticos, está quase no patamar da ruindade mesmo. Talvez os fãs, que estavam ansiosos por um filme do Bob, 42 anos após a morte do cantor, pensem diferente, dada a emoção ao lembrar um pouquinho da história do artista. Contando um pouquinho sobre o filme, ele é focado nos anos de 1976 a 1978, após o cantor sofrer uma tentativa de assassinato. Segundo Ziggy Marley, que assina a produção do filme com a mãe e a irmã, esse foi um momento transformador pro pai e mudou a visão de mundo dele. Marisa Abela como Amy Winehouse, e Kingsley Ben-Adir como Bob Marley Reprodução/Instagram

source https://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2024/02/17/por-que-as-cinebiografias-de-amy-winehouse-e-bob-marley-receberam-criticas-antes-mesmo-do-lancamento.ghtml
Close Menu