Colonização italiana no Brasil completa 150 anos: ES tem a 1ª cidade fundada por imigrantes no país


No dia 17 de fevereiro de 1874, os primeiros imigrantes italianos chegaram ao Brasil por meio da expedição Tabbachi. Santa Teresa, na Região Serrana do Espírito Santo, foi berço da colonização italiana e conserva cultura do país europeu até hoje. Casa Lambert, em Santa Teresa, no Espírito Santo Reprodução/TV Gazeta Uma viagem de 45 dias rumo ao desconhecido, repleta de obstáculos, mas cheia de esperança. Foi depois desta aventura que, há 150 anos, os primeiros imigrantes da Itália chegaram ao Brasil em busca de uma vida melhor. O desembarque foi no Porto de Vitória e fez com que o Espírito Santo se tornasse berço da imigração italiana não só por acolher os 388 estrangeiros, mas por ser o estado a ter o primeiro município fundado por italianos no país, Santa Teresa, na Região Serrana. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram Santa Teresa tem uma população de 22.808, de acordo com dados do Censo 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o Consulado Italiano no Brasil, 90% das pessoas (cerca de 20.527 habitantes) são descendentes de italianos, com família originárias das regiões italianas de Trento, Veneto e Lombardia. Foto da família Lambert, uma das primeiras italianas a chegaram no Brasil e em Santa Teresa, no Espírito Santo Reprodução/TV Gazeta Essa influência pode ser percebida em toda cidade, seja na arquitetura das casas e prédios, no cultivo das uvas para a produção de vinhos, na gastronomia, nos museus e patrimônios históricos, nos corais de música italianas, entre outros detalhes que compõem o dia a dia de Santa Teresa. Entre todos e lugares da cidade, um dos mais representativos é a Casa Lambert, que atualmente funciona como um museu. Construída pelos irmãos italianos Antônio e Virgílio Lambert, a construção foi tombada como Patrimônio Histórico do Espírito Santo em 1985. A obra foi erguida com estuque, também conhecido como tabique, taipa ou pau-a-pique e até hoje conserva ares europeus. Devido a essa influência, em 2018, Santa Teresa foi reconhecida pelo governo federal como a primeira cidade fundada por imigrantes italianos no país por meio da Lei nº 13.617. Veja fotos de Santa Teresa, ES 📲 Clique aqui para seguir o canal do g1 ES no WhatsApp Qual origem do nome? De acordo com a Prefeitura de Santa Teresa, o nome da cidade tem duas possíveis origens ou até mesmo uma união das duas situações: Santa Teresa, na Região Serrana do ES Reprodução/TV Gazeta A primeira é referência à fé de uma imigrante que fixou uma imagem de Santa Teresa, trazida da Itália, aos pés de uma árvore conhecida na região por Pau-Peba. Na sombra dessa árvore se reuniam os colonizadores para suas orações. A segunda trata-se de uma referência à estrada de Santa Teresa, que ligava a capital do Espírito Santo até a cidade de Coité, em Minas Gerais, e corta a colônia que deu origem à cidade. O início da imigração Navio La Sofia chegou ao Porto de Vitória, no Espírito Santo, no dia 17 de fevereiro de 1874 Arquivo Público do ES De acordo com registros do Arquivo Público do Espírito Santo, os 388 italianos embarcaram dentro do navio a vela La Sofia, no Porto da cidade de Gênova, localizada no Noroeste da Itália, no dia 3 de janeiro de 1874. Ao atravessar os oceanos, o objetivo dos imigrantes era conquistar uma vida melhor na América, mas os tripulantes passaram por problemas antes mesmo de chegar ao Brasil, como uma tempestade muito forte, que quase fez o navio afundar, e falta de vento, que deixou o veleiro ficou parado durante cinco dias no Atlântico. No dia 17 de fevereiro de 1874, o La Sofia chegou ao Porto de Vitória, mas outro problema logo foi encontrado. Como o Porto de Vitória não tinha estrutura adequada para receber navios grandes, os italianos só começaram conseguiram desembarcar quatro dias após a chegada ao estado. A decepção e a colonização A maioria dos imigrantes da expedição haviam sido contratados pelo também italiano Pedro Tabacchi para trabalhar na Fazenda Monte das de Palmas, na Colônia de Nova Trento, onde hoje é Santa Cruz, um distrito do município de Aracruz, no Norte do Espírito Santo. Fazenda do Tabacchi, onde os imigrantes italianos trabalharam logo que chegaram ao Espírito Santo Reprodução/TV Gazeta De acordo com o diretor-geral do Arquivo Público, Cilmar Franceschetto, logo que chegaram os imigrantes foram para a fazenda, mas se decepcionaram com a qualidade do vida encontrada e também como a distância entre a fazenda e o local de trabalho. "O local onde eles moravam é muito próximo de onde é Aracruz atualmente. E onde eles teriam que trabalhar é próximo de Fundão (outra cidade capixaba). Eles demoravam só pra trabalhar seis horas", disse o diretor. LEIA TAMBÉM: Globo Repórter vem ao ES para contar a história dos 150 anos da imigração italiana no Brasil Festa do Socol resgata tradição de imigrantes italianos no ES Memória dos imigrantes italianos é celebrada em Araguaia, ES Segundo o diretor-geral, isso fez com que algumas famílias desistissem de morar em Aracruz e seguissem para outras regiões. Ou seja, subiram a serra. A insatisfação ficou registrada em documentos, como o ofício assinado pelo imigrante Francesco Merlo, que solicitava ao governo a restituição dos gastos que teve com a passagem da Itália à Colônia de Nova Trento, no valor de 122 fiorins, pelo fato de não ter sido reembolsado pelo contratante. (veja foto abaixo). Ofício escrito pro Franscesco. Espírito Santo Reprodução/TV Gazeta Um grupo de imigrantes seguiu para as colônias do Sul do Brasil, enquanto outros 145 italianos, ficaram hospedados em barracões em Vitória, à espera de um destino até aceitarem a proposta do governo estadual para se instalarem na Colônia Imperial de Santa Leopoldina. Chegando à colônia, seguiram por trilhas abertas em meio à floresta até alcançarem os lotes que ocupariam no Núcleo do Timbuy, onde hoje é o município de Santa Teresa. Oficialmente, a imigração italiana passou a ser incentivada pelo governo com a chegada do navio "Rivadavia", que aportou em 31 de maio de 1875, com mais 150 famílias italianas, encaminhadas para Colônia de Santa Leopoldina, dentre as quais 60 famílias seguiram para o Núcleo Timbuy. Em 26 de junho de 1875 ocorreu o sorteio dos lotes territoriais. As correntes migratórias provenientes da Itália permaneceram em maior quantidade até o início do século XX, mas também há relato de entrada de imigrantes no período entre guerras. Os colonos se dedicavam à agricultura, com destaque para o cultivo do café e grãos e algumas experiências bem sucedidas semelhantes às culturas do Trentino, tais como a videira e o bicho-da-seda. Segundo a prefeitura, a cidade foi oficialmente fundada no dia 26 de junho de 1874. No dia 22 de fevereiro de 1891, o município foi emancipado. Cidade é "orgulho" dos descendentes Descendentes de italianos que moram em Santa Teresa, na Região Serrana do Espírito Santo Reprodução/TV Gazeta Antônio, Maria Rita, Frank... Apesar dos nomes e fisionomias diferentes, todos têm algo em comum: o orgulho das origens italianas. Uma dessas pessoas é a empresária Jurema Tonini, descendente de imigrantes que chegaram ao Espírito Santo na expedição Tabacchi. Jurema também é presidente do Circolo Trentino de Santa Teresa, sociedade civil sem fins lucrativos, que tem por objetivo principal estreitar os laços entre os descendentes de italianos, por meio de iniciativas sócio-culturais, como costumes, músicas, danças, na fabricação de vinho dentre outras atividades. Jurema Tonini, descendente de imigrantes italianos que estavam na expedição Tabbachi. Reprodução/TV Gazeta "É muito gratificante porque a gente pode compartilhar com outras pessoas, não só com os italianos, como é a nossa cultura. E aqui em Santa Teresa, a origem italiana está no sangue", disse a empresária. Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo

source https://g1.globo.com/es/espirito-santo/sul-es/noticia/2024/02/17/colonizacao-italiana-no-brasil-completa-150-anos-es-tem-a-1a-cidade-fundada-por-imigrantes-no-pais.ghtml
Close Menu