Maracatus de baque solto levam cores, brilho e tradição da zona rural ao Bairro do Recife


Doze agremiações fizeram cortejo nas ruas do bairro histórico e se apresentaram no palco do Marco Zero na terça de carnaval (13). Grupo de maracatu se apresenta no palco do Marco Zero na terça de carnaval A programação da terça de carnaval (13) no Bairro do Recife foi marcada pelo encontro de maracatus de baque solto. Ao todo, doze agremiações fizeram um cortejo pelas ruas do centro histórico da capital pernambucana e se apresentaram no palco do Marco Zero (veja vídeo acima). ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 PE no WhatsApp. 🎉 Quer receber notícias do carnaval no seu celular? Clique aqui. Presidente do Leão Formoso de Tracunhaém, o artesão Lucivan Clementino disse que se sente realizado com as apresentações. Ele contou ao g1 que está há 25 anos à frente do maracatu, desde que herdou do avô o comando do grupo, sempre lutando contra a dificuldade financeira. “O maracatu de baque solto é uma cultura que vem da zona rural. Boa parte dos nossos componentes trabalha com a cana-de-açúcar. Para sair no carnaval, a gente sempre faz uma rifa, busca doações. Pra você ter uma ideia, cada fantasia de caboclo de lança custa em torno de R$ 1.800”, relatou. A rainha do baque do maracatu Leão Vencedor, Maria Eduarda da Silva, que trabalha como babá, contou que desde a infância participa da agremiação, fundada em 1931. “Sou nascida e criada dentro da cultura. Participo desde os 9 anos e é uma alegria imensa. Já brinquei de rainha, de índia, baiana, caboclo de pena, princesa. Fiz de tudo um pouco dentro do maracatu”, disse Maria Eduarda. FOTOS: encontro de maracatus de baque solto encanta foliões no Bairro do Recife Mesmo sendo característico da zona rural, também existem maracatus de baque solto em área urbana. Um exemplo é o Cruzeiro do Forte, do bairro dos Torrões, na Zona Oeste do Recife. O barbeiro Lucas Bandeira disse que conheceu a cultura graças ao irmão mais velho. De início, dançava como caboclo de lança, um clássico personagem masculino. Porém, em meio à falta de voluntários, se tornou Caterina, posto geralmente ocupado por uma mulher. “Estamos aqui para alegrar o pessoal que assiste a gente. Para manter o maracatu é aquela agonia, se ajeita daqui, dali, mas tentamos dar o nosso melhor sempre. E, querendo ou não, somos 10 vezes campeão”, contou. Quem também não escondeu a felicidade de abrir a terça de carnaval foi a manicure Vanessa Medeiros. Ela começou, ainda na infância, no Piaba de Ouro, de Cidade Tabajara, Olinda, e passou alguns anos sem desfilar depois que casou e teve filhos. “Agora me sinto feliz e grata novamente. Vim de última hora e tenho nem palavras para expressar o que significa estar aqui hoje”, declarou. Lucas Bandeira e Maria Eduarda da Silva participaram do desfile de maracatus de baque solto na terça de carnaval no Recife Victor Moura/g1 VÍDEOS: mais vistos de Pernambuco nos últimos 7 dias

source https://g1.globo.com/pe/pernambuco/carnaval/2024/noticia/2024/02/14/maracatus-de-baque-solto-levam-cores-brilho-e-tradicao-da-zona-rural-ao-bairro-do-recife.ghtml
Close Menu