Caso Monique: namorado de jovem encontrada morta em rodovia é condenado por feminicídio


Homem foi julgado nesta quinta-feira (22), pelo Tribunal do Júri de Contagem, na Grande BH. Crime ocorreu em fevereiro de 2023. Mãe procurou a polícia para informar desaparecimento de Monique Ferreira Costa, de 21 anos Redes sociais O engenheiro Luiz Gustavo Lopes Silva, de 27 anos, foi condenado a 19 anos e seis meses de prisão pelo feminicídio da própria namorada, Monique Ferreira Costa. No dia 17 de fevereiro de 2023, a jovem, que tinha 21 anos, foi encontrada morta às margens de uma rodovia, na Região Central de Minas. O homem foi julgado nesta quinta-feira (22), pelo Tribunal do Júri de Contagem, na Grande BH. Segundo as investigações, a vítima morreu por esganadura, dentro do apartamento onde morava, em Contagem. Em seguida, teve o corpo abandonado pelo companheiro, às margens da BR-040, em Ouro Preto. Relembre o caso Monique Ferreira Costa estava desaparecida desde 12 de fevereiro de 2023, quando saiu para ir a um shopping, em Belo Horizonte. A mãe da jovem informou o desaparecimento à polícia três dias depois, acompanhada do genro, Luiz Gustavo Lopes Silva. A reação do homem chamou a atenção dos investigadores. Monique Ferreira Costa, de 21 anos, desapareceu no último domingo (12) em BH Polícia Civil/Divulgação "Nós passamos a entrevistar o namorado no intuito de saber a localização de Monique. E, no decorrer da entrevista, ele se comportou de uma forma muito nervosa, ele tinha hematomas e arranhões no braço e antebraço", explicou o delegado Alexandre Fonseca. Ainda conforme o delegado, no dia 13 de fevereiro, Monique enviou uma mensagem a uma amiga, por volta das 22h. Elas tinham combinado de ir a uma festa, mas, no texto, a vítima escreveu que tinha acontecido algo sério e ela estava indo para a delegacia. Aos policiais, o namorado afirmou que esteve com Monique até por volta das 23h30 e depois foi para a casa dele. Ainda na versão do homem, posteriormente, ele foi para um motel com uma amiga, onde ficou até as 6h do dia seguinte. Para a polícia, no entanto, esse seria um álibi usado pelo engenheiro. No dia 25 de fevereiro, o homem foi preso no momento em que se preparava para retirar objetos do apartamento onde a jovem morava, que estava em nome dele. No local, a equipe policial notou que o forro e a espuma do colchão estavam recortados, com sangue humano em volta. Forro de colchão no apartamento de Monique estava recortado Polícia Civil /Divulgação No carro em que o engenheiro chegou ao imóvel foram encontradas malas com roupas, o que, segundo a polícia, indicava uma possível tentativa de fuga. Ele foi preso em flagrante por fraude processual. Malas foram encontradas no carro em que suspeito usava Polícia Civil / Divulgação "A motivação [do crime] é feminicídio. Houve um desacerto entre a Monique e o suspeito no apartamento. A gente tem informação que o suspeito deve um dinheiro para agiota e que a Monique já havia pago uma dessas dívidas e ele estava querendo mais dinheiro. A gente acha que ela se cansou, quis terminar o relacionamento e ele não aceitou ou, talvez, ele possa ter subtraído dela mais um dinheiro no dia 13, quis denunciar na delegacia e houve o homicídio", detalhou o delegado. Os vídeos mais vistos do g1 Minas:

source https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2024/02/23/caso-monique-namorado-de-jovem-encontrada-morta-em-rodovia-e-condenado-por-feminicidio.ghtml
Close Menu