carnaval de ofertas

Condenado por atos nazistas em Tramandaí deixa prisão com tornozeleira eletrônica


Israel Fraga Soares recebeu pena de mais de 5 anos por atos racistas, homofóbicos e antissemitas em postagens contra políticos, artistas e influencers. Israel Soares aparece na internet fazendo saudação nazista Reprodução / TV Globo Condenado por atos de nazismo e racismo, entre outros crimes de ódio, Israel Fraga Soares deixou a prisão fechada e foi posto em regime domiciliar com tornozeleira eletrônica nesta terça-feira (30), em Osório, no Litoral Norte do RS. Relembre as acusações abaixo. 📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp Segundo o Tribunal de Justiça do RS, ele cumpria prisão preventiva desde 29 de janeiro de 2022, e no ano passado, foi condenado a 5 anos, 6 meses e 27 dias de reclusão no regime semiaberto. Após pedido da defesa, a juíza da Vara de Execuções Criminais de Osório, Liane Machado dos Santos Caminha Gorini, determinou a execução da pena no semiaberto. Porém, devido à falta de vagas no anexo destinado para o regime na Penitenciária de Osório, ele recebeu uma tornozeleira eletrônica e foi liberado. Israel ainda deverá cumprir as seguintes medidas: Não poderá se afastar de sua residência no período compreendido entre 19h e 7h; Não poderá se envolver em novos delitos; Não poderá desviar da zona de inclusão do monitoramento eletrônico, de até 03 (três) quadras da residência; O rompimento ou danificação do equipamento (tornozeleira) ensejará a regressão de regime, o que obstará nova inclusão no sistema de monitoramento eletrônico; O monitoramento terá duas rotas de locomoção, permitindo dois deslocamentos semanais, sendo um para SUSEPE e outro para a VEC; Ao ser liberado, deverá informar o endereço onde planeja residir. Caso descumpra alguma dessas determinações, o condenado retornará ao regime fechado, define a magistrada. Um dos advogados de Israel, Rafael Petzinger diz, em nota, que o cliente é "um jovem sonhador que poderá agora ser reinserido na sociedade e levar uma vida digna". Leia na íntegra abaixo. Israel Soares aparece na internet queimando bandeira LGBTQIA+ Reprodução / TV Globo Assista a reportagem do Fantástico na época da investigação de Israel Neonazista autor de ameaças racistas contra Douglas Silva foi alvo de busca e apreensão Relembre o caso Segundo a Polícia Civil, Soares está envolvido em práticas racistas, homofóbicas e antissemitas. Provas obtidas pela investigação dão conta de que ele mandou emails a políticos e personalidades contendo ameaças. Ele ainda publicou vídeos na internet em que fazendo saudações nazistas, queimando uma bandeira que representa a comunidade LGBTQIA+ e também uma foto de George Floyd (veja abaixo). Durante a investigação, a polícia apreendeu um capacete da Legião Hitlerista, usado na 2ª Guerra Mundial. Na sentença, o juiz Michael Luciano Vedia Porfirio mencionou que Israel "tinha como pretensão difundir suas ideias, praticando e alicerçando um discurso de ódio, discriminando pessoas em razão da cor, raça, etnia, orientação sexual e identidade de gênero". "Nesse enfoque, o racismo e a homofobia são duas das discriminações mais odiosas e intoleráveis da sociedade. A gravidade é patente e os efeitos psicológicos são nefastos para as vítimas". Nota da defesa de Israel Nós do escritório Ressurreição & Petzinger na pessoa do Dr Rafael e Dra Bruna recebemos com muita alegria a notícia da soltura do nosso paciente Israel! Foram meses de luta em prol dos direitos fundamentais de Israel, onde finalmente na data de hoje restituimos a liberdade para Israel, um jovem sonhador que poderá agora ser reinserido na sociedade e levar uma vida digna! VÍDEOS: Tudo sobre o RS

source https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/01/31/condenado-por-atos-nazistas-em-tramandai-deixa-prisao-com-tornozeleira-eletronica.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem