".

Israel anuncia cerco total à Cidade de Gaza


Informação foi divulgada pelo porta-voz do exército israelense. Braço armado do Hamas afirmou que Gaza será 'maldição' para Israel. Lideranças árabes e americanas buscam cessar-fogo por ajuda humanitária. Soldados israelenses durante operação no território da Faixa de Gaza Israel Defense Forces/AP Photo/picture alliance As Forças de Defesa de Israel (FDI) anunciaram na noite desta quinta-feira (02/11) que cercaram completamente a Cidade de Gaza, enclave de onde partiram os ataques terroristas perpetrados pelo grupo terrorista islâmico Hamas no dia 7 de outubro e que deixaram mais de 1.400 mortos em território israelense. "Os soldados concluíram o cerco à Cidade de Gaza, o centro da organização terrorista Hamas", declarou o porta-voz do exército israelense, Daniel Hagari. Em resposta à declaração, o braço armado do Hamas, formado pelas Brigadas Ezzedine al-Qassam, disse que Gaza seria uma "maldição" para Israel e que seus soldados voltariam para casa "em sacos pretos". Depois de quase quatro semanas de conflito, o número de mortos na Faixa de Gaza ultrapassou os 9.000, sendo 3.760 crianças, de acordo com informações divulgadas por autoridades locais. A quantidade de crianças mortas no conflito Israel-Hamas é mais de seis vezes maior do que as 560 vítimas registradas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 19 meses de guerra na Ucrânia. Líderes americanos e árabes, a exemplo de aliados americanos, como a Jordânia, aumentaram a pressão para que Israel alivie o cerco ao enclave. Também nesta quinta, a Câmara dos Deputados dos EUA, controlada por parlamentares do Partido Republicano, aprovou um projeto de lei que concede 14,3 bilhões de dólares em ajuda a Israel. Mas parlamentares democratas, que controlam o Senado, já avisaram que o projeto não deve seguir adiante. Blinken viaja ao Oriente Médio Nesta sexta-feira, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, deve viajar a Israel e à Jordânia, após sugestão do presidente Joe Biden, para negociar uma "pausa" devido à crise humanitária na região. O objetivo seria permitir a entrada de ajuda para palestinos e a retirada de mais estrangeiros e feridos – nos últimos dois dias, cerca de 800 pessoas deixaram o território da Faixa de Gaza. Israel não respondeu imediatamente à sugestão de Biden. Mais cedo, porém, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, já havia indicado que não deve acatar pedidos de cessar-fogo no momento: "Estamos avançando. Nada vai nos deter", disse. No último final de semana, Netanyahu afirmou que o conflito na Faixa de Gaza entrou em sua segunda fase com a expansão das operações militares por terra. O objetivo, segundo o primeiro-ministro israelense, é destruir as capacidades militares e o controle que o Hamas exerce no território palestino, bem como resgatar os mais de 200 reféns sequestrados no início do mês. Brasileiros tentam deixar Gaza A Embaixada do Brasil na Palestina articula com autoridades egípcias e israelenses a repatriação de 34 pessoas que pediram ajuda para deixar Gaza, sendo 24 brasileiros e dez palestinos que querem imigrar. Deste total, 18 já estão na cidade de Rafah, na fronteira com o Egito, e 16 estão em Khan Yunis, distante dez quilômetros. Mas, até o momento, os brasileiros seguem fora da lista de cidadãos estrangeiros ou com dupla nacionalidade autorizados a deixar a Faixa de Gaza pela passagem de fronteira com o Egito. A passagem de Rafah, a única saída de Gaza não controlada por Tel Aviv, foi aberta pela primeira vez nesta quarta-feira, após um acordo firmado entre os governos de Egito e Israel, sob mediação do Catar e em coordenação com os EUA. Com o Brasil ainda de fora, a segunda lista de países que podem retirar seus cidadãos inclui Azerbaijão, Bahrein, Bélgica, Coreia do Sul, Croácia, Estados Unidos, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Macedônia, México, Suíça, Sri Lanka e Chade. Desde o início da guerra, aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB), em operação coordenada com os ministérios da Defesa e das Relações Exteriores, já retiraram 1.445 pessoas e 53 animais. Nesta quinta, mais um voo chegou ao país com 32 passageiros vindos da Cisjordânia. A maioria das pessoas autorizadas a deixar o enclave palestino – um total de 400 nomes – é de americanos, após pressão pessoal de Biden. Na quarta, o democrata havia declarado que a passagem segura para a saída de feridos e estrangeiros foi garantida "graças à liderança americana". Alemanha proíbe atividades ligadas ao Hamas Também nesta quinta-feira, a ministra do Interior da Alemanha, Nancy Faeser, anunciou a proibição de qualquer atividade vinculada ao Hamas, e baniu também uma rede palestina atuante no país chamada Samidoun que promoveu atos de comemoração do ataque do Hamas contra Israel no dia 7 de outubro. A proibição de atividades relacionadas ao Hamas na Alemanha já havia sido anunciada pelo chanceler federal, Olaf Scholz, em 12 de outubro, e torna-se efetiva após a ordem desta quinta do Ministério do Interior. O Hamas é considerado uma organização terrorista pela União Europeia e por Alemanha, Estados Unidos e outros países. A Samidoun é uma rede palestina que opera na Alemanha sob os nomes Hirak – Palestinian Youth Mobilization Jugendbewegung (Germany) e Hirak e.V. Segundo o Departamento Federal de Proteção da Constituição da Alemanha (BfV), ela é vinculada à organização radical palestina PFLP (Frente Popular para a Libertação da Palestina), que defende a luta armada contra Israel.

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/11/03/israel-anuncia-cerco-total-a-cidade-de-gaza.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem

Ads

Facebook