carnaval de ofertas

Parlamentar chama deputada transexual Duda Salabert de ‘senhor’ e causa revolta em audiência sobre casamento homoafetivo; veja VÍDEO


Deputado Eli Borges (PL-TO) debochou de militantes presentes no auditório onde pauta era discutida. Parlamentar chama deputada transexual Duda Salabert de ‘senhor’ e causa revolta em audiência sobre casamento homoafetivo O casamento homoafetivo foi discutido por uma audiência pública na Câmara dos Deputados na última semana, e o Profissão Repórter acompanhou as falas dos parlamentares que são favoráveis à derrubada do contrato civil de união homoafetiva, e dos que pediam pelo arquivamento da discussão. Um deles, que é contra o casamento, trocou duas vezes o gênero da deputada transexual que havia acabado de discursar, Duda Salabert (PDT-MG) - ela é a primeira mulher trans eleita na Câmara dos Deputados. (veja no vídeo acima) O deputado Eli Borges (PL-TO) subiu à tribuna para falar logo depois que Salabert defendeu a manutenção do contrato civil vigente que prevê a união homoafetiva, também chamada de casamento civil, reconhecido desde 2011 pelo Supremo Tribunal Federal. E salientou que não tem a intenção de discutir o casamento religioso. Em clara oposição à fala da deputada, Eli Borges se juntou aos que defendem que o casamento civil homoafetivo não está na Constituição e, por causa disso, não deveria ser permitido. “Tenho a minha posição bíblica, científica, ideológica. Mas em nenhum momento eu aceito discriminar ninguém. Aqui o deputado Duda. O que fizeram com o senhor, fizeram de maneira...”, disse o parlamentar, até que foi interrompido por gritos da maior parte dos presentes na plateia, insatisfeitos com a ofensa. Eli Borges ainda ironizou mais uma vez. “Está bem, os senhores querem que eu diga ‘a deputada Duda", falou, quando ouviu mais gritos contra a sua fala, e respondeu com nova ironia: “olha a expressão facial dos senhores.” Após manifestações de uma das ativistas da plateia, Eli Borges repetiu a ofensa, ironizando e atacando mais uma vez a deputada e a população transexual. “Presidente (da comissão que discute o caso), eu preciso te dizer mais alguma coisa? Presidente, eu acho que ela falou por si só. Representou o grupo dela. Ela provou como eles agem. Quando eu, de maneira educada, só porque eu troquei uma palavra deputado por deputada”, disse o parlamentar do PL, ouvindo mais uma vez manifestações contrárias vindas da plateia. “De novo?”, falaram as ativistas. Parlamentar chama deputada transexual Duda Salabert de ‘senhor’ e causa revolta em audiência sobre casamento homoafetivo Reprodução/TV Globo Entenda o caso Um projeto de lei que pretende proibir o casamento homoafetivo está sendo discutido no Congresso. Em 2011, uma decisão unânime do STF tornou o casamento no civil um direito garantido a todas as pessoas. Um requerimento do deputado pastor Henrique Vieira (PSOL-RJ) pediu uma audiência pública para tentar adiar a aprovação do projeto. Doze anos depois da decisão do STF, o relator do projeto, o deputado federal pastor Eurico (PL-PE), quer que seja incorporada ao Código Civil a frase “nos termos constitucionais, nenhuma relação entre pessoas do mesmo sexo pode se equiparar ao casamento ou à entidade familiar”. Profissão Repórter acompanhou os bastidores da audiência pública sobre casamento homoafetivo Reprodução/TV Globo O Profissão Repórter desta terça-feira (3) mostrou o panorama dos casamentos no Brasil, contando histórias de pessoas que tentam fazer e desfazer relações em vários contextos - como em um casamento coletivo no sistema prisional - ou em um mutirão de divórcios, pedidos pelos mais diferentes motivos. Profissão Repórter acompanhou os bastidores da audiência pública sobre casamento homoafetivo Reprodução/TV Globo LEIA TAMBÉM: Comissão da Câmara adia novamente votação de projeto que impede casamento entre pessoas do mesmo sexo Casais do DF falam sobre projeto da Câmara que pode impedir casamentos homoafetivos; capital tem mais de 2 mil registros em cartório Casamentos homoafetivos quadriplicam em 10 anos no Brasil Casamento homoafetivo, porte de maconha, marco temporal: 6 embates entre o Congresso e o STF A mesma ofensa na CPI de 8 de janeiro General Heleno chama deputada transexual Duda Salabert de 'senhor' durante depoimento na CPI Duda Salabert ouviu o mesmo tipo de ofensa durante a CPI dos Atos Golpistas de 8 de janeiro, no dia 26 de setembro. O ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional General Augusto Heleno, que ocupou o cargo durante o governo Bolsonaro, chamou a parlamentar de “senhor”. A fala foi durante os questionamentos da parlamentar ao depoente. Duda falava sobre a trajetória do militar durante sua exposição na Comissão. “O senhor disse que a ditadura militar salvou o Brasil. O senhor coordenou a operação Punho de Ferro no Haiti, que resultou num massacre e morte de dezenas de crianças e mulheres. O senhor tentou impedir...” Heleno interrompeu a deputada e disse que a fala não era verdade. E neste momento, se referiu a Salabert no masculino duas vezes seguidas. “Essa afirmativa. Eu estou querendo proteger vossa excelência. Isso é uma afirmativa mentirosa. Se eu quiser, eu vou para a Justiça, processo o senhor e boto o senhor na cadeia”, afirmou. Duda Salabert apontou as ofensas transfóbicas de Heleno e repetiu o argumento anterior. “É a senhora! É a senhora. E não vai me ameaçar não”, disse a deputada. Confira as reportagens do programa:

source https://g1.globo.com/profissao-reporter/noticia/2023/10/04/parlamentar-chama-deputada-transexual-duda-salabert-de-senhor-e-causa-revolta-em-audiencia-sobre-casamento-homoafetivo-veja-video.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem