Projeto da Unifor em IA otimiza tarefas do Ministério Público do Ceará


Parceria entre Universidade de Fortaleza e MPCE, a iniciativa em Inteligência Artificial visa consolidar transformações tecnológicas no órgão público. A pesquisa se originou a partir de outro projeto desenvolvido na Universidade getty images A Inteligência Artificial (IA) está cada vez mais intrincada ao nosso cotidiano, facilitando na manutenção e execução de diversas tarefas, especialmente no meio jurídico. Nesse contexto, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Fortaleza, mantida pela Fundação Edson Queiroz, vem produzindo o “Integração, Análise e Visualização de Dados e Evidências Digitais”. Por meio do programa Cientista-Chefe — da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) —, a iniciativa visa consolidar as transformações tecnológicas que vêm acontecendo no Ministério Público do Ceará (MPCE). A ideia é potencializar uma plataforma de integração, análise e visualização de dados para promover a sistematização das etapas de projetos, implementação e execução de fluxos de análises de dados diversificados. Isso acontece a partir da execução de um outro empreendimento, o “Ciência de Dados e Inteligência Artificial no MPCE para Identificação de Indícios de Conduta Criminosa e Apoio às Atividades Processuais”, também elaborado pela Unifor e que foi responsável pela criação de um software e do Portal de Exploração de Evidências Digitais (PEED). Essa pesquisa tinha como objetivo inicial a identificação de oportunidades de inovação a partir do conhecimento científico em Ciência de Dados e Inteligência Artificial (CDIA) para aumentar a produtividade de tarefas realizadas pelo MPCE. Assim, seria possível prover agilidade e qualidade dos serviços prestados à sociedade. Napoleão Nepomuceno, coordenador do projeto e professor da Unifor acervo pessoal “O nosso projeto se destina a aumentar a produtividade da atuação do MPCE, prover qualidade dos serviços prestados à sociedade e suportar a execução de diversos projetos estratégicos do órgão, corroborando assim com sua missão de fiscalizar o cumprimento da Constituição Federal e das leis, de interagir com a sociedade e de contribuir na busca de equilíbrio social e na promoção da justiça” — Napoleão Nepomuceno, coordenador do projeto e professor da Unifor O projeto “Integração, Análise e Visualização de Dados e Evidências Digitais” é realizado por pesquisadores da Unifor e do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), além de alunos de doutorados, mestrados e da graduação da Universidade. Coordenador do Laboratório de Ciência de Dados e Inteligência Artificial (LCDIA) da Unifor, Vasco Furtado é o pesquisador responsável pelo programa Cientista-Chefe na área da Justiça. Já Napoleão Nepomuceno, docente da Universidade, é o coordenador do projeto executado no MPCE. O Laboratório de Inovação (Lino) do Ministério também participa ativamente no desenvolvimento da iniciativa. Métodos e desdobramentos Em sua elaboração, foi necessário fundamentar o projeto em técnicas de Ciência de Dados e Inteligência Artificial para que ele pudesse prover ferramentas que contribuam com as funções de investigação e de processamento judicial do MPCE. A pesquisa ainda está em andamento, com reuniões três vezes por semana para acompanhar o desenvolvimento das atividades, etapas que envolvem o coordenador, a equipe de bolsistas e técnicos do MPCE. Também é realizado um encontro semanal com toda a equipe, incluindo pessoas do Lino, da Secretaria de Tecnologia da Informação (SETIN) e do Núcleo de Apoio Técnico à Investigação (NATI) do MPCE. São apresentados na reunião os resultados de pesquisa e os produtos em desenvolvimento. Ainda é feita uma forte articulação institucional para a criação e/ou estreitamento de parcerias com instituições tanto de pesquisa quanto ligadas às áreas de justiça e de segurança pública. Esse movimento promove o compartilhamento de dados e de tecnologia desenvolvida no programa Cientista-Chefe. Até o momento, englobando todo o trabalho envolvendo o MPCE, já foi possível notar algumas realizações pertinentes para a melhoria dos serviços prestados na Justiça, como a entrega do PEED e o estabelecimento de cooperações institucionais. Isso permite o uso do portal por outros órgãos públicos e o acesso à nova base de dados, o que muda a percepção de valor e de potencial dos bancos informacionais geridos pelo órgão e por outras instituições. Espaços de Inovação na Unifor A Universidade de Fortaleza conta com diversos espaços para a elaboração de pesquisas e inovações. Um deles é o Parque Tecnológico (TEC Unifor), que dispõe de dependências e laboratórios com infraestrutura de ponta, sendo alguns deles: LAPIN O Laboratório de Pesquisa e Inovação em Cidades (LAPIN) possui estrutura contendo diversas áreas: maker, hacker, energias renováveis e realidade aumentada e virtual LCDIA O Laboratório de Ciência de Dados e Inteligência Artificial (LCDIA) realiza projetos de pesquisa, de desenvolvimento e de inovação com empresas parceiras do TEC Unifor, aplicando inteligência artificial, modelos matemáticos e estatísticos para a mineração, análise e visualização de quantidades massivas de dados. LEC O Laboratório de Engenharia do Conhecimento (LEC) é voltado ao desenvolvimento de projetos na área de inteligência artificial, representação do conhecimento e processamento de linguagem. LAPIG O Laboratório de Pesquisa em Inovação e Gestão (LAPIG) projeta e operacionaliza soluções que reconfiguram processos em organizações de diferentes setores e áreas. A Unifor ainda mantém o Núcleo de Biologia Experimental (NUBEX), um espaço de excelência da academia e com foco em produzir novos conhecimentos que respondam aos desafios científicos, tecnológicos e sociais do país. TEC Unifor: polo irradiador de inovação

source https://g1.globo.com/ce/ceara/especial-publicitario/unifor/guia-de-profissoes/noticia/2023/09/08/projeto-da-unifor-em-ia-otimiza-tarefas-do-ministerio-publico-do-ceara.ghtml
Close Menu