Mais de 400 manifestantes são presos em outra noite de distúrbios na França


Governo mobilizou 40.000 agentes em todo o país para tentar frear onda de violência, desencadeada após morte de jovem em uma blitz da polícia. Mais de 400 pessoas foram presas esta noite na França, em meio a manifestações contra o racismo e a violência policial Mais de 400 pessoas foram detidas na terceira noite de distúrbios na França após a morte de um jovem, baleado por um policial, que teve a prisão preventiva por homicídio decretada pela Justiça. Prevendo outra noite turbulenta, o governo mobilizou 40.000 agentes em todo o país, que, por volta das 3h (horário local), já haviam efetuado 421 detenções, segundo o Ministério do Interior. A maioria dos detidos tem de 14 a 18 anos. A violência começou na última terça-feira (27), nos arredores de Paris, e se estendeu a outras partes da França, depois da morte de Nahel, 17 anos. O adolescente foi atingido por um disparo à queima-roupa efetuado por um agente durante uma blitz, registrado em vídeo. Em um relatório interno, os corpos de segurança previam "uma generalização da violência nas próximas noites", com "ações voltadas contra as forças da ordem e os símbolos do Estado", disse uma fonte policial. "Não culpo a polícia, culpo uma pessoa: a que tirou a vida de meu filho", disse ao canal France 5 Mounia, mãe de Nahel, em sua primeira entrevista desde o ocorrido. Segundo ela, o agente "viu um rosto árabe, um pequeno rapaz, e quis tirar sua vida". Durante o dia, Mounia liderou uma marcha de protesto em sua cidade, Nanterre, a oeste de Paris, que terminou com confrontos com a polícia, destruição de imóveis e muito gás lacrimogêneo. Saques no centro de Paris Ao cair da noite, a violência emergiu com mais força: Em Paris, lojas no centro comercial Halles e na rua Rivoli, que leva ao Museu do Louvre, foram "vandalizadas, saqueadas ou incendiadas", segundo a polícia. Em Pau, no sudoeste, manifestantes atiraram um coquetel molotov contra uma delegacia, informou a prefeitura. Em Lille, no norte, uma repartição distrital foi incendiada, e outra, apedrejada, segundo a prefeitura. Na noite anterior, delegacias, prefeituras, escolas e carros foram incendiados em várias cidades, com um balanço de 180 detidos e 170 membros das forças de segurança feridos. O presidente Emmanuel Macron criticou os episódios de violência, e sua primeira-ministra, Élisabeth Borne, fez um apelo para "evitar uma escalada". Três cidades próximas da capital decretaram toque de recolher noturno. Na região de Paris, ônibus e bondes deixaram de circular às 21h locais. Agente pede perdão Após a onda de protestos gerada pela reforma do sistema previdenciário, entre janeiro e maio, a França vive um episódio semelhante pela morte de Nahel, que se negou a obedecer às ordens de dois agentes durante uma blitz de trânsito em Nanterre. Um vídeo publicado nas redes sociais, cuja autenticidade foi comprovada pela AFP, mostra o momento em que um agente aponta uma arma para o motorista e atira à queima-roupa quando ele acelera com o veículo. A fuga do jovem, que já havia sido fichado na polícia por atos similares e tampouco tinha idade para dirigir, terminou poucos metros à frente, quando o carro bateu contra um poste. Ele morreu pouco depois pelo disparo no tórax. Nesta quinta-feira (29), a Justiça decretou a prisão preventiva por homicídio doloso do policial de 38 anos suspeito de ter atirado no adolescente, segundo o Ministério Público, que considerou que o uso de sua arma não foi legalmente justificável. Seu advogado garantiu que o agente pediu perdão à família e que estava "extremamente comovido" com a violência do vídeo veiculado com o ocorrido. "As primeiras palavras que ele pronunciou eram para pedir perdão, e as últimas, para pedir perdão à família", disse Laurent-Franck Liénard ao canal BFMTV. "Ele está destruído. Não acorda de manhã para matar gente. Não quis matar", acrescentou. Bombeiros trabalham em meio a carros incendiados durante confrontos entre manifestantes e policiais, em Paris, na França Stephanie Lecocq/Reuters Mesmos atacados O drama gerou indignação generalizada, do presidente Macron ao jogador de futebol Kylian Mbappé, especialmente no momento em que a violência policial é um tema recorrente na França, onde 13 pessoas morreram em situações similares à de Nahel em 2022. "Sempre os mesmos são atacados, os negros e os árabes, os bairros pobres. Matam um menino de 17 anos assim, sem motivo. Esta morte nos causa muito ódio", declarou à AFP Ayoub, de 16 anos, vestido de preto, durante a marcha em Nanterre. Na memória coletiva dos franceses ainda estão os tumultos que explodiram em 2005 nas periferias das grandes cidades, depois que dois adolescentes morreram eletrocutados quando fugiam da polícia em Clichy-sous-Bois, nordeste da capital. O governo do então presidente conservador Jacques Chirac decretou estado de emergência, uma medida que tanto a direita quanto a extrema direita pedem neste momento, mas que, por ora, não está sendo cogitada pelas autoridades.

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/06/30/mais-de-400-manifestantes-sao-presos-em-outra-noite-de-disturbios-na-franca.ghtml
Close Menu