'Sentimento de injustiça gigantesco', diz filho de motorista por aplicativo morto após Sandero ser atingido por Porsche em SP


Luam Silva usou Instagram para cobrar punição do condutor do carro de luxo que matou seu pai. Fernando Sastre Filho dirigia carro de luxo que bateu na traseira do veículo de Ornaldo Viana. Foto postada por Luam Silva (à direita) o mostra ao lado do pai, Ornaldo Viana (à esquerda). Filho pediu 'justiça' para o caso do motorista de aplicativo morto após ter o carro atingido pelo Porsche dirigido por Fernando Sastre de Andrade Filho Reprodução/Instagram "Um sentimento de injustiça gigantesco dentro de mim", escreveu nesta segunda-feira (1º) em seu Instagram, Luam Silva, filho do motorista por aplicativo Ornaldo da Silva Viana, morto após o Renault Sandero que dirigia ter sido atingido pelo Porsche Carrera conduzido por Fernando Sastre de Andrade Filho. O condutor do carro de luxo fugiu e se apresentou à polícia só 24 horas depois (leia mais abaixo). O caso ocorreu na madrugada deste domingo (31) na Avenida Salim Farah Maluf, na Zona Leste de São Paulo, e foi gravado por câmeras de segurança (veja vídeo abaixo). Segundo testemunhas ouvidas pela Polícia Civil, o carro de luxo estava em alta velocidade. O limite de velocidade para a via é de 50 km/h. Pelas imagens, é possível ver quando Fernando acelera o carro de luxo e bate na traseira do veículo de Orlando, que havia pisado nos freios e desacelerado. O Porsche ergue o Sandero, que é arremessado até a calçada. O veículo do motorista por aplicativo ainda bate num poste de iluminação. 'Tristeza e angústia', diz filho Vídeo mostra momento da batida de Porsche em carro de motorista de aplicativo Em sua rede social, o jovem ainda escreveu que fica se "perguntando porque o mundo é tão injusto de levar" seu pai (veja foto acima). "O sentimento que eu carrego e de profunda tristeza e angústia", comentou Luam. "Eu quero que a justiça seja feita." Ornaldo foi velado e sepultado na tarde desta segunda no Cemitério Bonsucesso, em Guarulhos, Grande São Paulo. A Polícia Técnico-Científica vai analisar as imagens para determinar qual era a velocidade do Porsche no momento da batida com o Sandero. O laudo pericial irá informar se o carro de luxo estava com velocidade acima do limite para o trecho. Ornaldo foi socorrido por uma ambulância do Corpo de Bombeiros. Ele foi levado com parada cardiorrespiratória ao Hospital Municipal do Tatuapé, não resistiu e morreu. O motorista tinha 52 anos e estava sozinho no veículo. Motorista se apresenta Fernando Sastre Filho responderá pela morte de Ornaldo Viana Reprodução/Redes sociais Um amigo de Fernando de 22 anos que, segundo a polícia, também estava no Porsche, foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) até o Hospital São Luiz no Tatuapé. Até a última atualização desta reportagem, ele continuava internado no hospital particular, de acordo com a investigação. As autoridades não informaram, no entanto, se ele se feriu nem seu estado de saúde. Ele ainda não foi ouvido pela polícia para contar sua versão do que ocorreu. De acordo com o boletim de ocorrência do caso, a mãe de Fernando, Daniela Cristina de Medeiros Andrade, falou para os agentes da Polícia Militar (PM) que atendiam a ocorrência no local que iria levar seu filho para o Hospital São Luiz no Ibirapuera, na Zona Sul da capital, porque ele tinha um "leve ferimento" na boca. No entanto, quando os policiais militares foram ao hospital particular para ouvir a versão do motorista do Porsche e fazer o teste do bafômetro, para saber se ele dirigia sob efeito de bebida alcóolica, não o encontraram. A mulher que o levou também não estava no local. Diante disso, a Polícia Civil considerou que Fernando fugiu. Na tarde desta segunda-feira (1), 24 horas depois do crime, ele se apresentou à polícia. Fernando foi indiciado por homicídio doloso (quando há intenção de matar), lesão corporal e fuga de local de acidente, segundo a Secretaria da Segurança Pública. A polícia também solicitou a prisão temporária dele, mas a Justição não aceitou. PM liberou motorista do Porsche Câmera de segurança gravou momento que Renault Sandero branco é atingido na traseira por Porsche Carrera azul em São Paulo Reprodução/Redes sociais Procurada pelo g1, sua advogada, Carine Acardo Garcia, falou que não iria se pronunciar neste momento. "Peço que aguarde. Vamos nos inteirar do caso nesta data e tão logo haverá manifestação de nossa parte", disse Carine, por meio de nota. De acordo com ela, seu cliente está em estado de "choque" por causa do acidente. A Polícia Militar informou ainda que irá apurar se os policiais militares erraram ao permitir que Fernando deixasse o local do acidente com a sua mãe para ir supostamente a um hospital, o que não ocorreu. "Que liberaram, é fato. Trataram [o motorista do Porsche], inicialmente, como vítima. Vamos analisar se houve alguma falha no procedimento operacional [por parte dos policiais militares]. É preciso analisar caso a caso, mas não é incomum liberar a vítima para ir por conta própria [a um hospital], caso ela tenha condições", falou ao g1 o coronel Emerson Massera, porta-voz da PM de São Paulo. Porsche custa mais de R$ 1 milhão Condutor de Porsche bate na traseira de Renault e mata motorista por aplicativo em São Paulo Rômulo D'Ávila/ TV Globo O ouvidor Claudio Silva também disse à reportagem que a Ouvidoria da Polícia Civil iria procurar a Corregedoria da Polícia Militar para que ela apurasse se a conduta dos agentes que atenderam a ocorrência entre o Porsche e o Sandero foi correta. Policiais civis ouvidos pela reportagem disseram que os policiais militares demoraram quase cinco horas para comunicar o acidente com morte na delegacia. Segundo os agentes da Polícia Civil, os PMs deveriam ter feito o teste do bafômetro no local, não procurar o motorista num hospital para fazer isso. Duas testemunhas da batida entre o Porsche e o Renault, um homem e uma mulher, contaram que estavam dentro de outro veículo, um Hyundai HB20, quando viram o carro de luxo fazer uma ultrapassagem em alta velocidade e perder "o controle, colidindo na traseira do automóvel" onde estava Ornaldo. Um relógio do motorista do Porsche, encontrado dentro do veículo, foi apreendido pelos policiais. O Porsche azul 911 Carrera GTS, ano 2023, que era guiado por Fernando, está avaliado em mais de R$ 1 milhão. O veículo é de propriedade da empresa da família do motorista. O Renault Sandero branco EXP, ano 2017, guiado por Ornaldo, custava em torno de R$ 40 mil. A traseira do automóvel ficou estruída pelo Porsche. Traseira do Renault branco ficou destruída após ser atingida pelo Porsche azul Rômulo D'Ávila/TV Globo LEIA MAIS: Vídeo mostra batida de Porsche em Sandero em SP; motorista de aplicativo morreu e condutor do carro de luxo fugiu O que se sabe sobre caso de motorista de Porsche que bateu em Sandero na Zona Leste de SP, matou condutor e fugiu Motorista de Porsche de mais de R$ 1 milhão bate em Renault, mata condutor e foge após acidente em avenida de SP

source https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2024/04/02/sentimento-de-injustica-gigantesco-diz-filho-de-motorista-por-aplicativo-morto-apos-sandero-ser-atingido-por-porsche-em-sp.ghtml
Close Menu