Suspeito de mandar matar Marielle, Chiquinho Brazão perdeu votos em reduto eleitoral antes do crime


Candidata à Câmara do Rio em 2016, Marielle teve mais eleitores que Brazão em áreas como Vargem Grande, Vargem Pequena, Curicica, Freguesia e Vila Valqueire, regiões de forte atuação da família Brazão, como revelou a Polícia Federal nas investigações sobre a morte da vereadora do Psol. O deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) em imagem de setembro de 2023 Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados Apontado pela Polícia Federal (PF) como um dos mandantes do assassinato de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, o deputado federal Chiquinho Brazão (sem partido) viu seu capital político diminuir na eleição anterior ao crime contra a candidata do Psol. Até mesmo dentro de seu "curral eleitoral", na Zona Oeste do Rio, território de grande influência da família Brazão, segundo a Polícia Federal, o político observou a queda de eleitores em todas as zonas eleitorais da região, na comparação entre os pleitos de 2012 e 2016. Sexto vereador mais votado em 2012, com mais de 35 mil votos, Chiquinho terminou as eleições de 2016 com 23.923 votos no total. Nesse pleito, Marielle terminou como a 5ª vereadora mais votada do Rio, com 46.502 votos. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que na Zona Eleitoral 9, que pega a região das Vargens, por exemplo, Chiquinho Brazão passou de 1.796 votos, em 2012, para 977 votos na eleição seguinte. Nas urnas que atendem os moradores da Freguesia (Zona Eleitoral 13), a queda foi de quase metade dos votos, saindo de 2.627 para 1.351 eleitores. A maior queda no número absoluto de eleitores de Chiquinho Brazão aconteceu na Zona Eleitoral 180, que atende os moradores da Taquara e do Tanque, por exemplo. Na região, Brazão saiu de 8.188 votos para 4.696. Nos sub-bairros Vila Valqueire e Praça Seca, onde os moradores votam na Zona Eleitoral 185, a queda também assustou o político. Chiquinho saiu de 2.168 eleitores para 863. Vitória no "território inimigo" Ao todo, o levantamento feito pelo g1 contabilizou os votos de Marielle e Chiquinho Brazão nas zonas eleitorais 9; 13; 119; 179; 180; 182; 185; e 210, que atendem os moradores dos bairros: Vargem Grande; Vargem Pequena; Barra da Tijuca; Recreio dos Bandeirantes; Itanhangá; Curicica; Freguesia; Anil; Cidade de Deus; Gardênia Azul; Pechincha; Rio das Pedras; Taquara; Tanque; Vila Valqueire; e Praça Seca. Na eleição de 2016, quando os dois disputaram o cargo de vereador, Marielle venceu Chiquinho em parte de seu reduto eleitoral, quando teve maior votação nos bairros Vargem Grande, Vargem Pequena, Curicica, Freguesia e Vila Valqueire. Na Zona Eleitoral 9, que pega a região das Vargens, por exemplo, Marielle teve 1.333 votos, contra 977 de Brazão. A vitória da candidata na Zona Eleitoral 119, que abrange os bairros Curicica e Freguesia, também chamou atenção. No local, Marielle somou 949 votos, 501 votos a mais que o adversário. Reduto do Clã Brazão Até 2021, grande parte dessa região analisada era dominada por grupos de milicianos e, segundo a PF, a área é reduto político da família Brazão. "A interação da família Brazão com grupos paramilitares é intensa e se destaca na Zona Oeste do Rio de Janeiro, notadamente nos bairros de Jacarepaguá, Tanque, Gardênia Azul, Rio das Pedras, Osvaldo Cruz e arredores", dizia um trecho do relatório final da PF sobre a morte de Marielle Franco. "As interações da família Brazão com tais grupos ressaem na comunidade de Rio das Pedras, berço da milícia no Rio de Janeiro, e se alastram para outras localidades situadas na região de Jacarepaguá, Zona Oeste (...)", dizia outro trecho do documento. Ainda de acordo com o relatório, apenas os políticos autorizados pelos milicianos podem fazer campanha nas comunidades dominadas. "A entrada de políticos em localidades comandadas pelos grupos paramilitares é controlada pelos seus líderes, uma vez que somente aqueles que promovem uma interação espúria com os milicianos podem auferir os louros eleitorais advindos daquele local", avaliou a PF. Motivação do crime Os investigadores acreditam que a morte de Mareille seja uma resposta a sua atuação contra a grilagem de terras e a expansão imobiliária nas áreas de milícia, principalmente na Zona Oeste. Guedes explica projeto de lei de regularização fundiária que estava em andamento na Câmara na época do assassinato de Marielle A suspeita da PF é que Marielle tenha atrapalhado um projeto de Lei na Câmara Municipal para agilizar os loteamentos de terra em áreas de milícia, particularmente nas regiões das Vargens (Grande e Pequena) e Itanhangá. O autor do projeto de lei foi justamente Chiquinho Brazão, então vereador em 2018, pouco antes do assassinato da vereadora. LEIA TAMBÉM: Caso Marielle: entenda os próximos passos da investigação Motivação do crime tem a ver com expansão territorial de milícia no Rio, aponta PF Câmara, Alerj, governo, prefeitura, TCE, Congresso: influência dos irmãos Brazão se espalha por várias instâncias de poder O relatório da PF afirma que o ex-policial militar Ronnie Lessa, preso acusado de executar Marielle e seu motorista, Anderson Gomes, apontou em sua delação "como motivo [do crime] o fato de a vereadora Marielle Franco estar atrapalhando os interesses dos Irmãos, em especial, sua atuação junto a comunidades em Jacarepaguá, em sua maioria dominadas por milícias, onde se concentra relevante parcela da base eleitoral da família Brazão". Os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão foram presos no último domingo (24) apontados como mandantes do atentado contra Marielle Franco, em março de 2018, no qual também morreu o motorista Anderson Gomes. O delegado Rivaldo Barbosa também foi preso, suspeito de ajudar a planejar crime e de atrapalhar as investigações. A defesa de Domingos Brazão afirmou que seu cliente é inocente. O advogado de Rivaldo Barbosa, Alexandre Dumans, disse que seu cliente não obstruiu as investigações. A defesa de Chiquinho Brazão não havia se posicionado até a última atualização desta reportagem.

source https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2024/03/31/suspeito-de-mandar-matar-marielle-chiquinho-brazao-perdeu-votos-em-reduto-eleitoral-antes-do-crime.ghtml
Close Menu