Veja o que se sabe sobre o caso da funcionária estuprada dentro de delegacia no litoral de SP


Mulher foi atacada enquanto trabalhava. Ela atuava na unidade há mais de dez anos e está traumatizada. Caso aconteceu no DP Sede de Guarujá Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal O caso da funcionária que foi estuprada dentro de uma delegacia em Guarujá, no litoral de São Paulo, ganhou repercussão nacional. A vítima, de 40 anos, foi atacada dentro da própria sala enquanto estava trabalhando. O g1 reuniu tudo o que se sabe sobre o caso (confira abaixo). ✅Clique aqui para seguir o canal do g1 Santos no WhatsApp. O homem que cometeu o crime tem 52 anos e foi preso em flagrante por policiais civis que ouviram os gritos de socorro da funcionária. A delegacia onde aconteceu o crime fica na Avenida Puglisi, no Centro de Guarujá. Entenda o que se sabe sobre o caso a partir dos seguintes pontos: Como aconteceu o crime? Como o suspeito foi preso? Qual histórico do agressor com a vítima? Qual o trabalho da mulher na delegacia? A vítima voltou ao local após o crime? 1. Como aconteceu o crime? O homem, de 52 anos, foi na delegacia na terça-feira (20) e entrou na sala da funcionária. A vítima, em depoimento, contou aos policiais que o agressor deu um tapa em seu rosto e passou as mãos nos seios e nádegas. Além disso, ele ainda esfregou o órgão genital nela. A mulher reagiu e chegou a entrar em luta corporal com o agressor enquanto gritava por socorro. Voltar às perguntas. 2. Como o suspeito foi preso? Segundo o boletim de ocorrência (BO), dois policiais civis que estavam na delegacia ouviram os gritos pedindo ajuda e foram até a sala da mulher. Segundo o relato deles, a porta estava fechada, mas destrancada. Ao abrir a porta, a dupla se deparou com o homem sobre a funcionária caída no chão e com objetos da sala revirados. Os agentes prenderam o homem, que reagiu e precisou ser retirado à força da sala. O delegado determinou a prisão em flagrante. Voltar às perguntas. 3. Qual histórico do agressor com a vítima? Antes do crime, o homem esteve por outras duas vezes na delegacia atrás da mulher. Segundo a vítima, a primeira vez foi na sexta-feira (16). Ela não estava no momento e foi informada por colegas de que um desconhecido a procurava. Já na manhã de segunda-feira (19), assim que ela chegou para trabalhar, o agressor a esperava com cartas de amor em mãos. A funcionária o atendeu na sala, ele entregou o material e falou coisas sem sentido. Em seguida, o homem deixou a delegacia. Voltar às perguntas. 4. Qual o trabalho da mulher na delegacia? Conforme apurado pelo g1 com a Polícia Civil, a mulher é funcionária de uma empresa terceirizada e trabalha na área administrativa da delegacia há mais de 10 anos. Voltar às perguntas. 5. A vítima voltou ao local após o crime? A mulher está muito traumatizada com o ocorrido e, desde o episódio, está afastada do trabalho. Voltar às perguntas. VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos q

source https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2024/02/26/veja-o-que-se-sabe-sobre-o-caso-da-funcionaria-estuprada-dentro-de-delegacia-no-litoral-de-sp.ghtml
Close Menu