Biden enfrenta primeiro teste de campanha no Michigan, estado com maior população de árabes-americanos; primárias serão nesta terça


Movimento pelo voto 'descompromissado' está longe de ameaçar a vitória de Biden nas primárias de Michigan, mas representa o desafio mais expressivo a ele até agora nesta campanha. Protesto contra Biden na cidade de Warren, no estado de Michigan, em fevereiro de 2024 Rebecca Cook/Reuters Um grupo democrata trabalha incansavelmente junto aos eleitores árabes e muçulmanos de Michigan para enviar ao presidente Joe Biden uma mensagem de protesto contra o apoio do governo a Israel na guerra de Gaza. A campanha “Listen to Michigan” (“Ouça Michigan”) incentiva os eleitores a cravarem a opção “descompromissado” na cédula democrata: significa que votam no partido, sem apoiar qualquer candidato. ✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp As primárias democratas (assim como as republicanas) acontecem nesta terça-feira (27) em Michigan. Coordenado pela irmã da congressista Rachida Tlaib, a única de origem palestina na Câmara dos Representantes dos EUA, o movimento está longe de ameaçar a vitória de Biden nas primárias de Michigan, mas representa o desafio mais expressivo a ele até agora nesta campanha. O voto descompromissado mostrará o peso das vozes dissidentes dentro do partido, que o pressionam para mudar o rumo da política americana em relação ao Oriente Médio. O grupo opera pela rede telefônica para atingir a maior comunidade árabe-americana do país, que representa 54% da população instalada no entorno da cidade de Dearborn, a sudoeste de Detroit. O apoio de Biden às políticas do premiê israelense Benjamin Netanyahu desencadeou raiva e ressentimento entre os residentes muçulmanos no país. Na semana passada, os EUA exerceram pela terceira vez o poder de veto a uma resolução no Conselho de Segurança sobre o cessar-fogo em Gaza. As desavenças com Netanyahu e as preocupações expressadas por Biden e pelo secretário Antony Blinken em relação à tragédia humanitária no território palestino são consideradas insuficientes pelo movimento. O governo americano vem reiterando seus vínculos com o aliado no Oriente Médio e condiciona o fim dos combates à libertação dos reféns em poder do Hamas. Em Michigan, o ex-presidente Trump lidera por dois pontos (46% a 44%) em uma provável disputa com Biden em novembro, de acordo com a pesquisa mais recente do site “The Hill” com o Emerson College Polling. Em relação às primárias democratas desta terça-feira, a enquete revelou que 75% apoiam o presidente americano e 9% planejam assinalar a opção “sem compromisso” nas prévias. A alternativa é prevista pela lei eleitoral do estado, que exige a disposição dessa opção na cédula das primárias de ambos os partidos. Estes votos são relatados durante a apuração. A campanha de Biden tenta evitar que o índice de descontentes democratas ultrapasse a ordem dos dois dígitos e lhe crie mais problemas. O objetivo do “Listen to Michigan” não é ir contra o presidente em novembro, mas sinalizar já a necessidade de mudança de rumo do governo em relação à condução da guerra. Para a governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, a insatisfação pelo voto pode ajudar Trump a ser eleito. "É importante não perder de vista o fato de que qualquer voto que não seja dado a Biden apoia um segundo mandato de Trump, que seria devastador. Este homem proibiu a entrada de muçulmanos em nosso país", advertiu a governadora e também vice-coordenadora da campanha do presidente. Joe Biden vence primárias no estado da Carolina do Sul

source https://g1.globo.com/mundo/blog/sandra-cohen/post/2024/02/27/biden-enfrenta-primeiro-teste-de-campanha-no-michigan-estado-com-maior-populacao-de-arabes-americanos-primarias-serao-nesta-terca.ghtml
Close Menu