carnaval de ofertas

Sobe para 17 número de denúncias contra cirurgião plástico investigado por problemas após operações em Porto Alegre


Aumentaram para dezessete os registros de denúncias contra o médico Leandro Fuchs, diz Polícia Civil de Porto Alegre. Os boletins de ocorrência destacam problemas sofridos por mulheres posteriores à cirurgia e negligência no atendimento médico. Chegam a 17 os registros contra médico por negligência em atendimentos O número de boletins de ocorrência registrados por mulheres contra o cirurgião plástico de Porto Alegre Leandro Fuchs aumentou para dezessete, conforme a Polícia Civil. As denúncias destacam problemas posteriores à cirurgia e negligência no atendimento médico. Os casos estão sendo investigados pela 10ª delegacia de Policia da Capital, que concentra o registro das ocorrências. Até a última terça-feira (16), pelo menos 10 mulheres já haviam procurado a delegacia para relatar a situação. Elas foram operadas por Fuchs, chefe da cirurgia plástica do Hospital Ernesto Dornelles. No hospital, ele realiza os procedimentos e supervisiona uma equipe de residentes. 📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp Entre as situações denunciadas pelas pacientes estão, por exemplo, cicatrizes que abriram no pós-operatório e outras que infeccionaram. Ao procurarem por auxílio, foram avisadas de que, para um novo reparo, precisariam pagar pelo procedimento. A direção do Hospital Ernesto Dorneles informou que o médico segue atuando no local. No entanto, a instituição criou um comitê interno, a fim de analisar os fatos relatados pelas pacientes, e deve apresentar uma conclusão em 30 dias. "Infeccionou e abriu um buraco no braço" Paciente operada por Fuchs relata que após a cirurgia o local operado começou a infeccionar Reprodução/RBS TV A técnica de enfermagem aposentada Ana Aline da Fontoura passou por cirurgia com Fuchs em 2018. A intenção do procedimento, que custou R$ 4 mil, era retirar o excesso de pele nos braços. Segundo relata, dias após a cirurgia o local operado começou a infeccionar. "Abriu tudo. Infeccionou e abriu um buraco no braço direto, que entrou quatro mãos quando pedi ajuda para o pessoal da enfermagem do posto de saúde. Tinha líquidos ali depositados. Vinte dias depois tentaram dar pontos em cima, onde estava aberto. Como sou da área da saúde, falei que não adiantaria. Eles insistiram e acabei indo. Vinte e quatro horas depois estavam abertos", conta. Em outubro de 2018, uma ocorrência foi registrada por Ana Aline contra Fuchs na Polícia Civil de Viamão. E em janeiro de 2019, entrou com uma ação alegando danos morais, materiais, estéticos e psicológicos. Este ano, em janeiro, a Justiça nomeou um perito para avaliar o caso. Motivos semelhantes levaram uma outra mulher, que preferir não se identificar, a acionar a Justiça contra o médico. Ela havia realizado uma plástica no abdômen com o mesmo cirurgião. Paciente ficou com cicatriz após a cirurgia Reprodução/RBS TV "Fiz a cirurgia em novembro, infelizmente, no posterior começou o caos da situação. Eu tive uma deiscência de sutura, contaminação e um hematoma infectado. O que eu noto nesse processo todo e referente às outras meninas é a infecção de cirurgia, de sítio durante o pós-operatório", salienta a mulher. Em nota, o médico Leandro Fuchs disse que exerce a profissão há 30 anos e que "pauta os atendimentos pelo extremo respeito aos aspectos técnicos e éticos da medicina". Destacou ainda que "todo procedimento cirúrgico está sujeito a riscos que são comunicados e consentidos pelos pacientes". E que a "plena recuperação depende de diversos fatores, inclusive seguir as recomendações médicas no período pós-operatório". Leia a manifestação completa abaixo. Polícia investiga denúncias contra médico por negligência em atendimentos Inquérito A Polícia Civil já tem um inquérito, aberto em 2023, depois de uma paciente relatar ter ficado com sequelas pós-operatórias e falta de atendimento. "Para caracterizar erro médico nós precisamos ter uma perícia técnica, então nós temos que avaliar o prontuário médico dessa paciente e ver todos procedimentos ali feitos, se estão de acordo com os protocolos para aquele procedimento", afirma o delegado regional de Polícia de Porto Alegre, Cleber Lima. O médico ainda responde a processos na Justiça de ex-pacientes, os quais alegam problemas depois das cirurgias e pedem indenização. Pelo menos vinte mulheres procuraram o advogado Axel Rodrigues Pimentel para ingressar com ações na Justiça contra Leandro Fuchs, pedindo indenização por danos morais e materiais. Axel diz que os relatos de todas sobre a conduta do médico são bem parecidos. "O valor dele era mais acessível, mas alto, porque elas já tinham procurado outros médicos que cobravam um valor mais alto, facilitava por boletos, pagamento por cartão de crédito", diz ele. O Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) confirma que recebeu uma notificação contra o médico e deve abrir uma sindicância para averiguar os fatos. Nota do médico Leandro Fuchs NOTA À IMPRENSA "Exerço a Medicina há aproximadamente 30 anos, sempre tendo pautado os meus atendimentos pelo extremo respeito aos aspectos técnicos e éticos da profissão. Sou especialista em Cirurgia Plástica há mais de duas décadas e, atualmente, além de membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, atuo como regente no Hospital Ernesto Dornelles, onde oriento médicos graduados, com residência concluída em Cirurgia Geral, que estão se especializando em Cirurgia Plástica. No que diz respeito às matérias veiculadas na imprensa, manifesto a seguinte posição: i) todo procedimento cirúrgico está sujeito a riscos inerentes e a intercorrências estatisticamente comprovadas pela literatura médica e pela ciência, que são devidamente comunicados e consentidos pelos pacientes; ii) a plena recuperação depende de diversos fatores, inclusive da rigorosa observância das recomendações médicas para o período pós-operatório; iii) tirar conclusões precipitadas neste momento se constitui em desrespeito inclusive aos princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório. Convicto de que sempre atuei com respeito aos preceitos técnicos, éticos e legais da profissão, estou – e sempre estive – à disposição das autoridades para eventuais esclarecimentos. Mantenho a convicção de que, ao final de todos os procedimentos investigatórios em curso, a verdade irá demonstrar a exatidão do aqui afirmado por mim. Porto Alegre, 16 de janeiro de 2024." VÍDEOS: Tudo sobre o RS

source https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/01/19/sobe-para-17-numero-de-denuncias-contra-cirurgiao-plastico-investigado-por-problemas-apos-operacoes-em-porto-alegre.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem