carnaval de ofertas

Após pedido de desocupação, futuro dos moradores da Vila Sahy, em São Sebastião, deve ser decidido em audiência nesta terça-feira


Reunião virtual está marcada para a tarde desta terça (5) e acontece pouco mais de nove meses após a tragédia que matou mais de 60 pessoas na cidade. Bairro Vila Sahy foi o mais atingido. Casas demolidas na Vila Sahy, em São Sebastião, SP Arquivo pessoal Uma audiência marcada para esta terça-feira (5) deve definir a vida de moradores do bairro Vila Sahy, em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo, um dos locais mais afetados pela tragédia que aconteceu no início do ano, deixando 64 mortos e milhares de desabrigados. A audiência deve definir a situação que envolve a desocupação de moradores no local, além da demolição de casas no bairro por parte do Estado, devido aos riscos de desabamentos apontados pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE). ✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 Vale do Paraíba e região no WhatsApp A reunião deve confirmar qual é exatamente a área de risco e o número de famílias afetadas. Além disso, a Justiça quer saber qual o cronograma de retirada dos moradores e para onde eles serão levados, caso o pedido seja aceito. Na decisão pela audiência, o juiz Vitor Hugo Aquino de Oliveira cita o "inegável impacto à maioria dos moradores da Vila Sahy" e fala também sobre a urgência na adoção de medidas efetivas para a proteção da vida dos moradores do local. Justiça realiza audiência para discutir remoção dos moradores da Vila Sahy A reunião está marcada para às 13h45 e deve acontecer de forma virtual, com a presença de representantes do Ministério Público de SP e da Defensoria Pública do Estado. Em nota, a Defensoria Pública de SP informou que "participará ativamente nos autos na defesa dos interesses dos moradores atingidos" e que vai buscar a realização de uma audiência pública para "escuta qualificada dos moradores". Veja a nota na íntegra: "A Defensoria Pública do Estado de São Paulo vem acompanhando a situação das famílias afetadas pelas fortes chuvas de fevereiro de 2023 em São Sebastião em diversas frentes de atuação, seja através da realização de mutirões de atendimento, visitas nos territórios atingidos, realização de reuniões com moradores, órgãos públicos envolvidos e sociedade civil em geral. A Defensoria tem atuado para garantir o acesso à informação, participação popular na tomada de decisões, fornecimento de opções habitacionais provisórias e definitivas e garantia de direitos fundamentais como acesso à alimentação, educação, saúde e moradia e medidas estruturais de mitigação dos riscos. Sobre a ação ajuizada para fins de obtenção de tutela cautelar para remoção e demolição de residências na Vila do Sahy em decorrência da situação de risco em que se encontram, a Defensoria Pública do Estado de São Paulo informa que foi intimada a integrar a ação e participará ativamente nos autos na defesa dos interesses dos moradores atingidos, em especial, buscando a realização de uma audiência pública para escuta qualificada dos moradores, além de visar a garantia de direitos fundamentais básicos da população do litoral norte". O g1 também procurou o Ministério Público de SP, mas, até a publicação desta reportagem, não obteve retorno. Área delimitada pela PGE na Vila Sahy, em São Sebastião Reprodução Pedido de remoção Na última semana, a PGE pediu à Justiça a remoção imediata dos moradores das áreas de risco na Vila Sahy -- local onde ocorreu uma tragédia no início do ano. Além da remoção, a PGE também solicitou a demolição de 893 imóveis no local. No documento, a Procuradoria diz que a remoção é necessária para garantir a vida dos moradores. A PGE ainda anexou relatórios sobre os riscos de novos deslizamentos na Vila Sahy. O pedido diz que o local deve ser desocupado porque há risco de deslizamento do terreno em caso de chuva forte, com destruição e mortes. Os procuradores afirmam que é necessário abrir espaço para as obras que podem evitar essas ocorrências. A ação envolve a coletividade dos moradores que vivem em área de risco na Vila Sahy e a PGE pede urgência para que a retirada seja autorizada, mesmo contra a vontade dos moradores. Moradores da Vila Sahy protestam contra demolições Protestos Na manhã do último domingo (3), moradores da Vila Sahy protestaram contra a demolição de casas no local. Além disso, eles reivindicaram mais transparência e mais participação da população no processo de reconstrução do bairro, fortemente atingido pelo temporal em fevereiro deste ano que causou a morte de 64 pessoas. O protesto teve início às 8h, na praça principal da Vila Sahy. Os moradores carregavam faixas e cartazes contra as demolições e pedindo mais participação no processo de reconstrução. Eles percorreram a Barra do Sahy e foram até a praia, onde ocorre neste fim de semana o Fuga das Ilhas, um dos maiores eventos de natação livre do país. A manifestação foi pacífica e acompanhada pela Polícia Militar. O protesto terminou próximo das 10h. De acordo com a PM, cerca de 100 pessoas participaram da manifestação. A organização diz que cerca de 500 pessoas estiveram presentes. Manifestação de moradores da Vila Sahy, em São Sebastião José Eymard/TV Vanguarda Tragédia O temporal que atingiu o litoral em fevereiro deste ano foi o maior registrado em 24 horas na história do país, segundo dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Ao todo, 64 pessoas morreram. A chuva começou no sábado, 18 de fevereiro. Durante a noite, ela já era muito forte e não parou mais. Por conta disso, a maioria dos estragos começou já na madrugada de domingo, dia 19. Buscas por desaparecidos em meio à lama de um deslizamento que derrubou casas na Vila do Sahy, em São Sebastião Fábio Tito/g1 A cidade mais prejudicada foi São Sebastião. A Vila Sahy, na Costa Sul, foi a mais atingida por deslizamentos de terra e ficou totalmente destruída. O local somou a maior parte das vítimas da tragédia. Outra cidade da região com registro de morte foi Ubatuba, onde uma menina de sete anos morreu após uma pedra de duas toneladas deslizar e atingir o local que ela morava. Caraguatatuba, Guarujá e Bertioga também sofreram prejuízos e tiveram moradores desabrigados e desalojados, mas nenhuma morte foi registrada. Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina

source https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2023/12/05/apos-pedido-de-desocupacao-futuro-dos-moradores-da-vila-sahy-em-sao-sebastiao-deve-ser-decidido-em-audiencia-nesta-terca-feira.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem