Advogada que se apresentava como psicóloga: Saiba quem é a mulher suspeita de matar ex-sogro e a mãe dele envenenados


Amanda Partata nega que tenha cometido o crime. Mas o delegado declarou que se trata de um caso complexo e que "envolve até um grau de psicopatia”. Amanda Partata é suspeita de envenenar homem e mulher em Goiás Reprodução/Redes Sociais A advogada Amanda Partata foi presa suspeita de matar o ex-sogro e a mãe dele envenenados, em Goiânia. Leonardo Pereira Alves de 58 anos, e a mãe dele Luzia Tereza Alves, de 86, morreram após consumirem um alimento envenenado, em um café da manhã com a suspeita. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram Ao ser questionada na porta da delegacia, a mulher negou que tenha cometido o crime e disse também que está grávida. O g1 não localizou a defesa dela para se manifestar sobre o caso até a última atualização desta reportagem. O mandado de prisão temporária contra Amanda foi cumprido na noite de quarta-feira (20) (veja vídeo abaixo). Ao comentar sobre a prisão, o delegado Carlos Alfama declarou que se trata de um “caso complexo e que envolve até um grau de psicopatia”. LEIA TAMBÉM: Advogada é presa suspeita de matar ex-sogro e a mãe dele envenenados, em Goiânia Vídeo mostra quando advogada suspeita de matar ex-sogro e a mãe dele envenenados chega à delegacia em Goiânia ‘Envolve um grau de psicopatia’ diz delegado sobre prisão de advogada suspeita de matar ex-sogro e a mãe dele envenenados Mulher é presa suspeita de matar ex-sogro e a mãe dele envenenados, em Goiânia Amanda é advogada em Itumbiara, no sul goiano. Nas redes sociais, ela também se apresentava como psicóloga e fazia publicações com comentários sobre livros diversos. Porém, segundo o Conselho Regional de Psicologia de Goiás (CRP-GO), ela não tem registro profissional ativo no banco de dados do Conselho. Relação com as vítimas Ao g1, o advogado da família das vítimas explicou que Amanda teve um relacionamento íntimo com o filho de Leonardo por cerca de três meses. Mas que o rapaz decidiu terminar a relação amigavelmente, há dois meses. A mulher teria, então, revelado que está grávida do rapaz e, por isso, continuava frequentando o ambiente familiar, apesar de já não ser mais a companheira do filho de Leonardo. “Quando ela falou que estava grávida e mandou um exame, ele [ o filho de Leonardo ] disse que ia assumir, a família toda acolheu [...] O que nós não conseguimos entender é porque alguém iria querer matar o pai do próprio filho, ou o avô, realmente deve ser alguma psicopatia”, afirmou o advogado Luís Gustavo Nicoli. Entenda o caso O caso começou a ser investigado na segunda-feira (18), após a morte de Leonardo. Em um boletim de ocorrência, a esposa dele afirma que a ex-nora comprou o doce e outros alimentos para um café da manhã com a família. Leonardo, Luzia e a própria mulher comeram durante a manhã de domingo (17). Cerca de três horas depois do consumo, Leonardo e Luzia começaram a sentir dores abdominais, além de também apresentarem vômitos e diarreia. Mãe e filho foram internados no Hospital Santa Bárbara, em Goiânia, mas os dois não resistiram e morreram ainda no domingo. Leonardo Pereira Alves (lado esquerdo) e a mãe Luzia Alves (lado direitos) (Goiânia, Goiás) Reprodução/Redes Sociais Segundo o boletim, Luzia chegou a ser internada na Unidade de Terapia Intensiva, mas o quadro clínico já estava bastante agravado. A ex-nora, também conforme o relato, comeu a sobremesa em menor quantidade. Ela estava indo para Itumbiara, quando também começou a sentir os sintomas e retornou à capital. Até então, a família acreditava que o doce havia causado as mortes por estar contaminado e, por isso, exigiu a investigação. A polícia e outros órgãos de fiscalização, como o Procon Goiás, visitaram as unidades da empresa de doces para averiguar os produtos, em busca de irregularidades e evidências da contaminação. Ainda na segunda-feira (18), o Procon Goiás publicou uma nota dizendo: “Os agentes verificaram informações contidas nas embalagens, datas de fabricação e validade, acomodação e refrigeração dos doces e, nesta ocasião, não foi constatada nenhuma irregularidade nos produtos fiscalizados. As informações e documentação foram repassadas para a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios, que segue com as apurações”. Sofrimento da família A médica Maria Paula Alves abraçada com o pai Leonardo Pereira Alves, de 58 anos, que morreu envenenado, em Goiânia Reprodução/Redes Sociais O caso ganhou repercussão em todo o estado de Goiás depois que a filha de Leonardo usou as redes sociais para falar sobre a morte do pai. A médica Maria Paula Alves contou que Leonardo era uma pessoa saudável e extraordinária. “Papai era uma pessoa de 58 anos que não tinha 1 fio de cabelo branco na cuca e que acordou o dia 17 de dezembro completamente bem. Os porquês, a surpresa, a angústia, o desentendimento e a dúvida não terão espaço nesse texto. O texto é sobre o senhor ter sido - e ainda ser - o maior exemplo de homem/pai que eu encontrei”, disse a jovem. 📱 Veja outras notícias da região no g1 Goiás. 📱 Participe dos canais do g1 Goiás no WhatsApp e no Telegram. VÍDEOS: últimas notícias de Goiás

source https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2023/12/21/advogada-que-se-apresentava-como-psicologa-saiba-quem-e-a-mulher-suspeita-de-matar-ex-sogro-e-a-mae-dele-envenenados.ghtml
Close Menu