".

Enchente no RS: especialistas apontam diferenças entre eventos deste mês e ciclones de setembro


Para esta quarta-feira (22), previsão do tempo indica instabilidade em praticamente todo o estado. Inmet emitiu alerta para perigo de tempestade. Águas do Guaíba passam por rede de esgoto e alagam ruas no bairro Humaitá, em Porto Alegre, nesta terça-feira (21). DONALDO HADLICH/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO No domingo (19), São Sebastião do Caí registrou a maior cheia da história do município, segundo a Defesa Civil do Rio Grande do Sul. Na segunda-feira (20), o nível do Guaíba em Porto Alegre atingiu 3,30 metros. A marca é a mais alta nos últimos 80 anos, quando a Capital do RS enfrentou uma enchente histórica. O que, afinal, explica esses eventos climáticos recentes? "O que a gente está vendo agora é o efeito do excesso de chuva acumulado em todas as bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Sul do Paraná dos últimos dois meses", explica Josélia Pegorim, da Climatempo Meteorologia. Eldorado do Sul foi uma das cidades atingidas por enchente no RS Reprodução/RBS TV A meteorologista acrescenta que setembro foi "particularmente instável" no estado. Em Porto Alegre, foi o mês mais chuvoso em 107 anos. O acumulado de chuva superou 413 milímetros. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), é o maior volume para um único mês desde 1916, quando teve início a série histórica. "Nós tivemos três ciclones extratropicais que se organizaram próximos ao Litoral do Rio Grande do Sul. Essas sucessivas baixas pressões sobre o estado, já com efeito de El Niño forte, provocaram chuvas generalizadas e frequentes ao longo de todo o mês de setembro. Considerando que já havia chovido muito em julho e em junho, então, a chuva de setembro começou a detonar essas enchentes em quase todas as bacias", acrescenta Josélia. Imagens do Cais Mauá, no Centro Histórico de Porto Alegre, durante inundação Josélia esclarece que, em setembro, com a formação dos ciclones extratropicais, foram observados centros de baixa pressão atmosférica mais intensos do que nos eventos climáticos deste mês. A também meteorologista Cátia Valente, da Sala de Situação da Sema, pontua que os volumes de chuva nos dois episódios foram diferentes e que antes houve "inundação repentina" e desta vez é "gradual". "Esse último evento que aconteceu, apesar das chuvas volumosas, foram volumosas em dois, três dias. Choveu em torno de 200 milímetros naquela região ali dos vales. No outro evento, o total de chuva nos 3, 4 dias, passou de 400 milímetros, quase 500", afirma Cátia. Para esta quarta-feira (22), a previsão do tempo indica instabilidade em praticamente todo o estado. O Inmet alerta para perigo de tempestade em toda a extensão do RS, indicada no mapa pela cor laranja (veja abaixo). De acordo com o Instituto, a chuva pode chegar a 100 milímetros ao longo do dia. Há previsão de ventos intensos (entre 60 km/h e 100 km/h) e queda de granizo. O comunicado tem validade até às 15h. "Essa chuva que vem quarta não é nem um pouco parecida com o que aconteceu. Qual é o problema? É que os níveis dos rios já estão muito elevados, então não vai baixar. Então, continua a condição de inundação, mas não tem previsão de novas inundações ou coisas maiores e nem perto do evento do dia 4 [de setembro]", finaliza Cátia. Inmet alerta para perigo de tempestade em toda a extensão do RS Reprodução/Inmet Orientações A Defesa Civil orienta que a população a evitar transitar na rua durante o período de alerta. Além disso, divulgou recomendações específicas de segurança. Confira: Abrigue-se em local seguro Mantenha-se afastado de postes, árvores e placas de sinalização e publicitárias Não entre em regiões de alagamento Observe alterações nas encostas Evite usar aparelhos eletrônicos ligados à rede elétrica Quem precisar de ajuda pode ligar para a Defesa Civil pelo telefone 199 ou para o Corpo de Bombeiros pelo 193. VÍDEOS: Tudo sobre o RS

source https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2023/11/22/enchente-no-rs-especialistas-apontam-diferencas-entre-eventos-deste-mes-e-ciclones-de-setembro.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem

Ads

Facebook