Como o cruzamento de informações levou à prisão de um militar acusado de cometer homicídio 17 anos atrás


Um procurado por assassinato forjou a própria morte e começou uma nova vida em outra região do Brasil, mas foi descoberto pela polícia. Como o cruzamento de informações levou à prisão de um militar acusado de cometer homicídio 17 anos atrás Dezesseis anos atrás o programa Linha Direta exibiu o caso de um homem do Rio de Janeiro que descobriu que a sua esposa estava tendo um relacionamento extraconjugal. Ozeas Santos Mendonça amava Lígia Helena acima de tudo, mas a encontrou com outro homem. E se viu diante de um sofrido dilema: aceitava as explicações da mulher, ou terminava a relação? A escolha de Ozeas não determinou o seu destino. Porque o amante de Lígia, o oficial da Marinha Francisco Wagner, seguiu para a casa dela e o assassinou. O crime ocorreu em 2006, sendo exibido um ano depois. Francisco fugiu após o crime, e nunca mais foi encontrado. Até que em 2019, um cartório de Fortaleza emitiu uma certidão de óbito. O documento dizia que Francisco Wagner Franca de Alcântara teria morrido em 21 de dezembro daquele ano. A causa da morte: infarto agudo do miocárdio, ocorrido no Hospital Filantrópico de Fortaleza. Aí começam as dúvidas. A primeira delas: Francisco Wagner nunca esteve internado no centro médico. “Nos causou muita estranheza o nome do hospital no documento apresentado por dois motivos: primeiro porque este paciente nunca esteve internado, nunca deu entrada no hospital, e também o médico que consta aí, que assina o documento, nunca trabalhou lá no hospital”, disse Glauco Mota Filho, advogado do hospital. O médico citado na certidão de óbito é Márcio Dias da Costa. E ele também se diz vítima de Francisco. Em nota enviada ao Fantástico, Márcio disse que além de nunca ter trabalhado no local, estava de plantão em outro hospital na data e hora que o óbito teria acontecido. A certidão de óbito diz, ainda, que o sepultamento de Francisco Wagner aconteceu no Cemitério de Canindé, no sertão do Ceará. A reportagem, então, foi aos dois cemitérios do município – um público, e outro privado. Nenhum dos dois possuía registro de um sepultamento em nome de Francisco Wagner. Certidão de óbito de Francisco Wagner França de Alcântara Reprodução/Fantástico Francisco dá origem a Odilon No mesmo ano em que fugiu, Francisco iniciou uma nova vida com outra identidade: Odilon Wagner Vlasak Filho. Ele foi registrado em um cartório de Ubajara, no interior do Ceará. A coincidência: é o mesmo local onde Francisco foi registrado, com ano de nascimento idêntico – 1980. Com o documento, ‘Odilon’ conseguiu emitir um RG pela Secretaria de Segurança Pública do estado. E a partir dele, tirou todos os documentos possíveis – inclusive certificado de detetive profissional, registro de colecionador de armas, atirador e caçador, e porte de fuzil. E mudou de estado: foi viver em Foz do Iguaçu (PR), onde abriu uma loja de serviços financeiros. A adaptação de Odilon com a nova vida foi mais longe ainda: ele se casou e teve uma filha. Trabalhou como segurança armado. E tudo seguia normalmente, até que a polícia do Rio de Janeiro avançou com a investigação, entrando em uma esfera interestadual. E cruzando os dados de Francisco com os de Odilon, eles verificaram que a biometria dos dois era exatamente igual. Confrontado pela polícia, Odilon foi preso em Foz do Iguaçu e, posteriormente, transferido para o Rio de Janeiro, onde responderá pelo homicídio de 2006 e por falsidade ideológica. E lá, a família do garçom Ozeas, morto pelo então Francisco Wagner recebeu a notícia. "Achava que a justiça não foi feita pelo meu irmão, né? E era tudo que a gente sempre desejou, sempre pediu a Deus, que a justiça fosse feita", disse a irmã dele. Veja íntegra da reportagem no vídeo acima. Respondendo como Odilon, Francisco Wagner na delegacia momentos antes de ser preso Reprodução/Fantástico Ouça os podcasts do Fantástico ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.

source https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2023/10/02/como-o-cruzamento-de-informacoes-levou-a-prisao-de-um-militar-acusado-de-cometer-homicidio-17-anos-atras.ghtml
Close Menu