carnaval de ofertas

Duas mulheres disputarão pela primeira vez a Presidência do México

Claudia Sheinbaum, do partido governista, e opositora Xóchitl Gálvez irão se enfrentar em 2024. Duas mulheres disputarão, pela primeira vez, a Presidência do México em 2024, após a ex-prefeita da capital, Claudia Sheinbaum, ser oficializada nesta quarta-feira (6) como a candidata do governo para enfrentar a opositora Xóchitl Gálvez. Sheinbaum, uma física de 61 anos, foi a mais votada em um processo de pesquisas do partido Morena, do presidente Andrés Manuel López Obrador. "A análise integral dos dados nos permite concluir de forma incontestável que a companheira Claudia Sheinbaum Pardo obteve a melhor posição" entre os candidatos, declarou Alfonso Durazo, presidente do Conselho Nacional do Morena. Favorita desde o início da campanha, Sheinbaum enfrentará nas urnas, em 2 de junho do ano que vem, Gálvez, senadora e empresária de origem indígena, de 60 anos, que no último domingo (3) foi oficializada como a candidata de uma coalizão de partidos de oposição. Sem um terceiro candidato no horizonte, tudo indica que, pela primeira vez, duas mulheres disputarão a Presidência do México, um país assolado pela violência do tráfico de drogas, uma onda de feminicídios e uma longa tradição machista. Em média, dez mulheres são assassinadas diariamente no México, principal parceiro comercial dos Estados Unidos e segunda maior economia da América Latina, atrás do Brasil, de acordo com dados oficiais. 'Filha de 68' X 'liberal progressista' O duelo entre Sheinbaum e Gálvez promete ser um choque de origens, personalidades e estilos. Neta de judeus vindos da Bulgária e da Lituânia, Sheinbaum tem um perfil reservado e prudente, sem carisma, segundo seus adversários. "Sou filha de 68", diz a ex-prefeita, que reivindica a herança das lutas sociais e não ter pertencido nunca ao PRI, o antigo partido hegemônico no México por 70 anos no século XX. Proveniente da burguesia intelectual da capital mexicana, Sheinbaum promete dar continuidade às políticas do atual presidente López Obrador, limitado a um único mandato de seis anos, segundo a Constituição. Sheinbaum afirma que defenderá os mais pobres, inclusive as comunidades indígenas, e comemora os bons resultados macroeconômicos do atual governo (moeda forte, finanças saudáveis). Vestindo com frequência peças tradicionais indígena, a opositora Gálvez é originária de um povoado no estado de Hidalgo (centro). Xóchitl (flor no idioma náhuatl) nasceu em uma família humilde, filha de pai indígena otomí e mãe mestiça. Engenheira e empreendedora de sucesso, Gálvez não hesita em usar palavrões em seus discursos. "Minha regra de ouro: não quero ladrões, nem frouxos, nem babacas", repetiu, na segunda-feira (4), em entrevista à AFP, no dia seguinte à sua indicação. Ela também afirma que vai combater a violência com os "ovários". Duelo Gálvez desafiou Sheinbaum a fazer campanha sozinha, sem a ajuda do presidente, a quem se atribui o favoritismo da ex-prefeita. "Ela (Sheinbaum) consegue sozinha, que diga a ele: (...) 'O senhor se dedique a governar e me deixe ser a candidata'", disse à AFP. "Porque então, eu teria que enfrentar o presidente da República e ela, e esta é uma disputa desigual", acrescentou. Gálvez se declara liberal e progressista, sintetizando as ideias dos três partidos que a apoiam: o liberalismo econômico do PAN, de direita, o ideal de justiça social do PRD, de esquerda, e a herança institucional do PRI. "Comigo, não haverá retrocesso nos direitos conquistados, tanto da comunidade LGBTQ, quanto das mulheres", prometeu. Aproveitando a popularidade de López Obrador, Sheinbaum é a favorita para ganhar a Presidência na disputa contra Gálvez, de acordo com duas pesquisas recentes. Combativa, Xóchitl acredita que pode recuperar terreno, após ter despertado e unificado a oposição em apenas dois meses de campanha. Ruptura O processo de escolha do candidato abriu uma fissura no governo, que até agora parecia monolítico em torno de López Obrador, a quem sempre foi atribuído um favoritismo por Sheinbaum, algo que o presidente nega. Aproveitando a aprovação do presidente, o Morena é o favorito para as eleições gerais de 2024, tem maioria no Parlamento e governa em 23 dos 32 estados mexicanos.

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/09/07/duas-mulheres-disputarao-pela-primeira-vez-a-presidencia-do-mexico.ghtml
Postagem Anterior Próxima Postagem