Depoimentos de pais e funcionários levaram escola infantil a ser investigada por tortura em São Paulo; VÍDEO

'Chegaram a deixar ele em cima de ralo, sentado em cima de ralo pra poder fazer as necessidades', afirma ex-funcionária. Os acusados são os donos da escola, presos esta semana. Depoimentos de pais e funcionários levaram escola infantil a ser investigada por tortura em São Paulo Um aluno amarrado a um poste, outro humilhado por fazer xixi na roupa e um terceiro colocado em cima de um ralo para que fizesse suas necessidades. Essas são algumas das denuncias contra os donos da escola infantil Pequiá, na região central de São Paulo (SP). Os suspeitos de tortura foram presos temporariamente esta semana. Reportagem do Fantástico deste domingo (2) traz alguns dos 16 depoimentos de pais e ex-funcionários que levaram a escola infantil a ser investigada por tortura. Algumas das cenas descritas foram gravadas sem que os donos da escola percebessem. Veja também: 'Não me sinto dono de nada. Dono não sou, sou vigia das coisas que acumulei', diz Alceu Valença Fraude na Previdência Social: esquema criava aposentados fakes como o 'Zé Mané' em Mato Grosso Em um vídeo, a diretora da escola, Andrea Carvalho Moreira, pressiona um menino de cinco anos na frente dos colegas após ele ter feito xixi nas calças. O marido dela, Eduardo Mori Kawano, conhecido pelas crianças como Tio Zik, aparece ao lado constrangendo a criança. Há também uma imagem do ano passado de um menino de seis anos amarrado a um poste pelas mangas da própria camisa, além de relatos de uma sala escura usada como "cantinho do castigo" e de um menino que teria ficado de castigo nu, em uma bacia na chuva, porque havia vomitado na roupa. Os casos foram denunciado por duas ex-funcionárias que decidiram gravar os castigos e mostrar para os pais. "Chegaram a deixar ele em cima de ralo, sentado em cima de ralo pra poder fazer as necessidades', conta uma das ex-funcionárias, Anny Garcia Junqueira, sobre um aluno. Segundo o delegado que investiga o caso, Fábio Daré, todos os 16 depoimentos colhidos até o momento foram "convergentes". "Isso me levou a crer que houve um crime de tortura naquela escola", afirmou ao Fantástico. Como consequência da investigação, os donos foram presos preventivamente, mas ainda não prestaram depoimento. Em resposta às acusações, a advogada dos donos da escola, Sandra Pinheiro de Freitas, afirma que "é preciso entender que toda a situação não se fecha num único ato. Ela tem que ter todo um contexto em volta daquela situação". Ela disse ainda que o casal afirma que não se tratam de "atitudes deles". "No caso do menino que foi amarrado, não foi o Eduardo quem amarrou, embora o Eduardo tivesse brincadeiras lúdicas com as crianças, nesse contexto de amarrar a ponta da blusa e brincar, mas aquele ato em si não foi ele quem fez", afirmou. Outra acusação Além deste caso, a escola é investigada por uma denúncia de lesão corporal desde 2021. Na ocasião, uma mãe registrou um boletim de ocorrência dizendo que o filho tinha fortes dores de cabeça e que, ao conversar com a criança, ela contou que o dono da escola teria batido na cabeça dela. "Quando fui mexer na cabeça dele, ele falou: que não era pra mexer que doía muito. E estava um pouco altinho. Ele falou: 'tio bateu'", disse a mãe, que preferiu não ter a identidade revelada. A criança ficou somente oito dias na escola. Em depoimento sobre essa primeira investigação, Eduardo negou qualquer agressão e afirmou que a acusação era absurda. O caso está em andamento. O pai do menino que foi amarrado pela própria blusa falou ao Fantástico, mas também preferiu não relevar a sua identidade. A criança e o irmão dela estão em outra escola, e o pai não sabia o que havia acontecido na Pequiá até então. "Aí eu abri a foto, dei um zoom a hora que eu mostrei pra ele, já: ' é papai sou eu na foto'", disse. Segundo o pai, a criança afirmou que Eduardo a prendeu alegando que ela estava "agitada demais". "Eles estavam totalmente vulneráveis porque eles ficavam o dia inteiro na mão deles", acrescentou o pai. Ouça os podcasts do Fantástico ISSO É FANTÁSTICO O podcast Isso É Fantástico está disponível no g1, Globoplay, Deezer, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts e Amazon Music trazendo grandes reportagens, investigações e histórias fascinantes em podcast com o selo de jornalismo do Fantástico: profundidade, contexto e informação. Siga, curta ou assine o Isso É Fantástico no seu tocador de podcasts favorito. Todo domingo tem um episódio novo. PRAZER, RENATA O podcast 'Prazer, Renata' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito. Siga, assine e curta o 'Prazer, Renata' na sua plataforma preferida. BICHOS NA ESCUTA O podcast 'Bichos Na Escuta' está disponível no g1, no Globoplay, no Deezer, no Spotify, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, na Amazon Music ou no seu aplicativo favorito.

source https://g1.globo.com/fantastico/noticia/2023/07/02/depoimentos-de-pais-e-funcionarios-levaram-escola-infantil-a-ser-investigada-por-tortura-em-sao-paulo-video.ghtml
Close Menu