BR-319 rodovia conhecida pela péssima qualidade vira atoleiro em período chuvoso

O primeiro pedido de licenciamento para asfaltar a estrada federal foi há 18 anos. De lá para cá, foram várias interrupções provocadas por suspeitas de irregularidades nas etapas do processo. BR-319 que liga Manaus a Porto Velho vira um atoleiro no período chuvoso Neste período de chuvas, a estrada federal que liga Manaus a Porto Velho, na região Norte do país, vira um atoleiro. Em uma parte da estrada, passar só enfrentando o mar de lama. A BR-319 é uma rodovia federal inaugurada na década de 1970; são 885 km que ligam os estados do Amazonas e Rondônia. Dois trechos que se estendem por mais de 450 km são considerados os mais críticos: o lote c e o trecho do meio. “Aqui, se você der informação que a estrada está boa, com três dias ela está ruim”, afirma um motorista. Em uma viagem de Manaus até Porto Velho, o ônibus de passageiros atolou 18 vezes. Os próprios passageiros puxam o ônibus usando um sistema de pinos e cabos de aço. Eles avançam metro por metro até tirar o ônibus do lamaçal. LEIA TAMBÉM: 'BR-319: A Rota Imprevisível': 2º episódio mostra desafios da viagem pela rodovia no AM 'BR-319: A Rota Imprevisível': 3º episódio mostra fome e sede em meio às incertezas da rodovia no AM 'BR-319: A Rota Imprevisível': 4º episódio mostra reencontros após viagem pela rodovia 'BR-319: A Rota Imprevisível': 5º episódio mostra impasses para reconstrução da rodovia Às 22h28, a equipe estava em um trecho do quilômetro 202 da BR-319, segundo ponto onde o ônibus atolou. Nossa equipe só conseguiu andar três quilômetros com a ajuda do trator e, depois, só seguiu viagem com a ajuda de uma retroescavadeira. A viagem que deveria durar 13 horas levou três dias. Em 2022, ainda no governo Jair Bolsonaro, o Ibama emitiu uma licença prévia para retomar a pavimentação do trecho do meio, mas faltam estudos ambientais de responsabilidade do Dnit. "A nossa ideia é correr com todos esses estudos e projetos no próximo período chuvoso para que, no próximo verão, a gente consiga ter, aí sim, obra de pavimentação na BR-319, no trecho do meio”, diz Fabrício de Oliveira Galvão, diretor-geral substituto do Dnit. O primeiro pedido de licenciamento para asfaltar a BR-319 foi há 18 anos. De lá para cá, foram várias interrupções provocadas por suspeitas de irregularidades nas etapas do processo. O Ministério Público entrou na Justiça várias vezes. Ambientalistas também se preocupam com um possível aumento de atividades ilegais na região, inclusive do desmatamento, provocado pela facilidade de acesso. “Também tem o plano para vários ramais, outras estradas ligando a BR-319, que ia levar o desmatamento bem mais longe”, diz o ambientalista e biólogo Philip Fearnside. O Ibama diz que todas as atividades serão monitoradas; o aumento da fiscalização pode coibir qualquer irregularidade. “Caso, por algum motivo, haja uma exploração, um excessivo desmatamento ao longo da estrada ainda no período de licenciamento, o Ibama cogita a possibilidade, inclusive, de rever sua licença prévia. Então, é muito importante que seja, de fato, demonstrada a viabilidade ambiental”, afirma Rodrigo Agostinho, presidente do Ibama. O empresário Wilson Périco diz que a pavimentação da estrada é necessária para a economia da região: “A importância da BR-319 aqui para a região Norte começa pela integração. Você pode conectar, por terra, o estado do Amazonas ao restante do país. É uma questão de soberania nacional. Não é uma estrada nova, é uma estrada que está deteriorada. É recuperar aquilo que já funcionou, que já serviu para trazer aqui para o nosso estado turistas e para ajudar a escoar os produtos da Zona Franca, certamente trazendo mais competitividade para nossa economia”. Quem precisa usar a BR, tem a esperança que a realidade possa mudar em breve. Vídeos mais assistidos do Amazonas

source https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/07/10/br-319-rodovia-conhecida-pela-pessima-qualidade-vira-atoleiro-em-periodo-chuvoso.ghtml
Close Menu