Por que chegada de migrantes ao Reino Unido triplicou apesar das promessas do Brexit


Reduzir a migração para o Reino Unido tem sido um compromisso constante do Partido Conservador nos 13 anos em que está no poder Por que chegada de migrantes ao Reino Unido triplicou apesar das promessas do Brexit GETTY IMAGES Três primeiros-ministros sucessivos prometeram isso. E todos terminaram o mandato sem conseguir. Reduzir a migração para o Reino Unido tem sido um compromisso constante do Partido Conservador nos 13 anos em que está no poder. David Cameron e Theresa May falaram em reduzir o número para "dezenas de milhares". Boris Johnson "aprendeu a lição com uma promessa muito específica" e simplesmente disse que os números cairiam após o Brexit, diz Chris Mason, editor de política da BBC. No entanto, acrescenta Mason, as promessas dos três políticos "foram soterradas pela realidade". A retórica foi desafiada pelos fatos novamente no governo do atual primeiro-ministro, Rishi Sunak. A migração líquida (balanço entre os números de pessoas que chegam ao Reino Unido e as que saem) ficou em 606 mil pessoas em 2022, segundo dados divulgados em maio pelo Escritório Britânico de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês). Os dados são de pessoas que estão no Reino Unido há pelo menos 12 meses. O número representa um aumento de 164.000 em relação ao total de 2021. E é quase o triplo da migração líquida em 2019, que foi estimada em 226.000. A campanha a favor do Brexit prometia sobretudo recuperar o controle das fronteiras ou "retomar o controlo", como dizia o slogan popular dos que promoveram a saída da União Europeia. Como se explica então que quase 7 anos após a votação a favor do Brexit, a migração líquida continua a aumentar? Reduzir a migração foi uma promessa central da campanha do Brexit GETTY IMAGES Por trás do aumento estão três fatores principais , segundo dados do ONS e especialistas ouvidos pela BBC. 1. Estudantes estrangeiros O número líquido de 606.000 migrantes em 2022 resulta da subtração de 557.000 (os que saíram) de 1,2 milhões (os que chegaram). Das 1,2 milhões de pessoas que entraram, 925 mil vieram de fora da União Europeia. E deles, quase 40% chegaram com visto de estudante. "Os estudantes internacionais são uma fonte de renda muito importante para as universidades britânicas", disse Mariña Fernández Reino, pesquisadora sênior do Observatório de Migração da Universidade de Oxford, à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC. "As universidades dependiam fortemente de estudantes da China, que eram a grande maioria dos estudantes internacionais que vieram nos últimos anos." "Aí o governo promoveu uma estratégia de diversificação para que, caso o fluxo de alunos diminuísse, a receita nas universidades não sofresse tanto." Peter Walsh, especialista do mesmo centro da Universidade de Oxford, disse à BBC que tem havido iniciativas do governo e das próprias universidades para recrutar estudantes, por exemplo, na Índia e na Nigéria . "Estudantes internacionais pagam mensalidades mais altas que subsidiam a educação de estudantes locais no Reino Unido", acrescentou Walsh. Para atrair estudantes, o governo introduziu o chamado "trabalho pós-estudo" há menos de dois anos. "Isso significa que se você vier como estudante internacional, poderá ficar dois anos trabalhando em qualquer trabalho, mesmo que não esteja vinculado ao que você estudou", explicou Fernández Reino. "Isso tornou a opção de vir para o Reino Unido mais atraente do que antes, quando você poderia vir por um ano, mas depois tinha que sair." Outro fator que aumentou os números é que estudantes da Índia, Nigéria e outros países costumam vir com suas famílias. Fernández Reino destacou que "uma alta porcentagem vem com dependentes, com companheiros ou com filhos. Portanto, isso significa que o número de pessoas que vêm com esse visto de estudante aumentou muito. A maioria dos estudantes da China, por outro lado, veio sozinha". Walsh disse à BBC que os estudantes internacionais trouxeram "cerca de 100.000 casais e crianças" no ano passado. O governo Rishi Sunak anunciou recentemente limitações na renda dos dependentes dos estudantes. Fernández Reino explicou que a partir do próximo ano só poderão trazer dependentes quem vier fazer mestrado ou doutorado . "Claro que vai impactar em duas coisas. Uma é que virá um número menor, porque só o aluno que se matricular poderá fazer isso. E outra é que a mudança pode tornar menos atraente estudar no Reino Unido." "Os mestrados de pesquisa são normalmente de dois anos e são eles que dão acesso ao doutorado aqui. É uma porcentagem muito pequena dos mestrados. E eles não foram proibidos de trazer dependentes porque se você tem família você não podem ser separados por quatro anos." O Russell Group, que representa a maioria das universidades de maior prestígio da Grã-Bretanha, disse que as novas restrições afetarão a capacidade dos centros de estudo de atrair os rendimentos vindos de estudantes internacionais. 2. Vistos de trabalho O segundo maior impulsionador do aumento de migrantes líquidos em 2022 foi o número de trabalhadores de fora da União Europeia (UE) . Seu número quase dobrou de 137.000 para 235.000 no espaço de um ano. No caso dos cidadãos da UE, mais pessoas deixaram o Reino Unido em 2022 (202.000) do que chegaram (151.000), segundo o ONS. O aumento de trabalhadores de fora da UE deveu-se sobretudo ao alargamento do visto a "trabalhadores qualificados" ou trabalhadores qualificados. Esta via, antes do Brexit, já permitia a entrada de pessoas qualificadas patrocinadas por empresas ou instituições britânicas, como médicos ou enfermeiros. Mas em 2022, "foram incluídas mais ocupações que muitas vezes não são consideradas plenamente qualificadas. A mais importante é a dos cuidadores com pouca experiência , a que chamam cuidadores sêniores, que agora podem vir e antes eram excluídos". "Estamos vendo que os vistos aumentaram muito porque aqueles trabalhadores que vêm com vistos especiais para a área da saúde." Os três principais países de origem de cuidadores no setor de saúde são Índia, Nigéria e Zimbábue, de acordo com o ONS. Vidia Ruhomutally, que imigrou das Ilhas Maurício para o Reino Unido décadas atrás, é dona de uma casa de repouso no Condado de Norfolk, a três horas de Londres. Ruhomually disse à BBC que contrata muitos de seus trabalhadores da Índia. "Sem a Índia não estaríamos aqui", disse ele. "E sem nós, o hospital local teria leitos cheios que não poderia liberar para outros pacientes." 3. Ucrânia e Hong Kong Os esquemas de reassentamento criados após o que o ONS chama de "eventos globais sem precedentes" foram o terceiro maior fator do aumento da migração líquida. O número de cidadãos não pertencentes à UE que chegaram ao Reino Unido por rotas humanitárias aumentou de 9% para 19% em 2022. Em 2022 , 114.000 ucranianos e 52.000 cidadãos de Hong Kong entraram por pelo menos 12 meses. A estes últimos foi oferecido um esquema de visto especial depois que a China impôs uma lei de segurança nacional na ex-colônia britânica. O primeiro-ministro Rishi Sunak reagiu aos números divulgados em maio insistindo que a migração "não está fora de controle". Em entrevista à televisão no dia em que os dados foram divulgados, Sunak disse: "Os números são muito altos, é simples assim. E eu quero reduzi-los." O número líquido de migração pode cair no futuro , de acordo com Dominic Casciani, correspondente jurídico e de assuntos internos da BBC. "Espera-se que o fluxo de pessoas da Ucrânia e de Hong Kong cesse e o fluxo de trabalhadores se estabilize." Por outro lado, “a saída de estudantes internacionais deve aumentar, enquanto muitos novos não poderão mais trazer seus familiares”, acrescentou Casciani. Para Fernández Reino, “prever é sempre difícil, há incerteza. Mas estamos vendo pelos dados que saíram de dezembro de 2022, em relação a setembro, que a migração não continuou crescendo ”. Quanto às receitas da Ucrânia "concentraram-se apenas nos meses posteriores à invasão e depois diminuíram gradualmente, embora seja sempre difícil fazer uma previsão porque é verdade que pode haver uma deterioração muito grande das condições da guerra". Para o especialista, pode continuar aumentando a renda dos trabalhadores para assistência e saúde, caso não haja mudanças na regulamentação. "Sabemos que há uma escassez de mão de obra muito grande nesses dois setores. Mas, mesmo assim, acho que os números globais vão cair porque o número de saídas vai aumentar." Quanto à migração irregular, o governo anunciou em 2022 um polêmico plano para enviar requerentes de asilo para Ruanda. A iniciativa ainda não foi implementada devido a recursos interpostos perante os tribunais britânicos e a uma intervenção do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Para Dominic Casciani, os números das admissões no Reino Unido "podem cair em mais 70 mil pessoas se o controverso plano do governo de desviar quase todos os pedidos de asilo para o exterior funcionar", mas há uma enorme dúvida sobre isso. Custos e benefícios Chris Mason aponta que a migração é muito mais do que uma questão de números. É uma questão que também tem a ver com “emoção, comunidades e serviços públicos. Com promessas, pessoas e lugares”. Para Fernández Reino, é importante levar em conta que frequentemente “ os políticos superestimam sua capacidade de regular os fluxos migratórios ”. "Muitas vezes a capacidade dos políticos de reduzir esses números é limitada. Agora eles vão tentar com a questão de reduzir o número de dependentes de estudantes." A mudança pode, no entanto, ter um grande custo para as universidades. As medidas migratórias costumam ter cara e rabo, acrescenta Fernández Reino. Reduzir a migração líquida "sempre beneficia ou prejudica alguém". "E mesmo na questão da migração irregular e requerentes de asilo, as medidas de endurecimento muitas vezes não têm o efeito esperado de limitar o número de pessoas que chegam."

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/06/09/por-que-chegada-de-migrantes-ao-reino-unido-triplicou-apesar-das-promessas-do-brexit.ghtml
Close Menu