Motim de mercenários mostra 'rachaduras' na autoridade de Putin avalia secretário dos EUA


O Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, afirma que ação de grupo levanta questões profundas sobre problemas do presidente russo. Membros do Grupo Wagner chegaram a Rostov-on-Don na madrugada de sábado e recuaram após acordo Reuters O motim armado na Rússia mostra "rachaduras reais" na autoridade do presidente Vladimir Putin, disse o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken. Ele afirmou à mídia americana que a rebelião de sábado dos combatentes do Grupo Wagner, liderado por Yevgeny Prigozhin em Wagner foi um "desafio direto" a Putin, que o forçou a um acordo de anistia. O acordo interrompeu a marcha do Grupo Wagner sobre Moscou. Os mercenários já haviam tomado duas grandes cidades russas. Putin acusou o grupo de traição, mas todas as acusações foram retiradas posteriormente. Sob o acordo, os combatentes de Wagner devem retornar às suas bases de campo e Prigozhin se mudar para a vizinha Bielorrússia, cujo líder Alexander Lukashenko esteve envolvido nas negociações do conflito na Rússia. O paradeiro atual de Prigozhin, um ex-aliado de Putin, é desconhecido. Ele foi visto pela última vez em público saindo de Rostov-on-Don - uma das duas cidades do sul onde seus combatentes assumiram temporariamente o controle de instalações militares. Representantes de Prigozhin disseram que ele responderia a perguntas da mídia "quando tiver meios de comunicação normais", informou o site de notícias RTVI da Rússia na tarde de domingo. Não foram dados mais detalhes. Enquanto isso, o presidente Putin não foi visto em público desde seu discurso nacional na TV na manhã de sábado, quando condenou o motim. Presidente Vladimir Putin fez discurso nacional em meio a avanço de grupo de mercenários GETTY IMAGES No domingo, Blinken disse à CBS, parceira de notícias da BBC nos Estados Unidos, que a rebelião de 24 horas na Rússia "levanta questões profundas, mostra rachaduras reais". Blinken, que também apareceu em vários outros programas de entrevistas nos EUA, disse que era "muito cedo" para prever o impacto que o motim poderia ter no Kremlin ou na invasão da Rússia à Ucrânia, que começou em fevereiro de 2022. "Se você colocar isso em contexto, 16 meses atrás, Putin estava às portas de Kiev, na Ucrânia, tentando tomar a cidade em questão de dias, para apagar o país do mapa", disse Blinken à ABC. "Agora, ele teve que defender Moscou, a capital da Rússia, contra um mercenário de sua autoria”, completou. O diplomata dos EUA acrescentou que não queria "especular" sobre onde tudo isso poderia levar a Rússia e o presidente Putin. A Rússia não comentou publicamente as declarações de Blinken. O editor da BBC para assuntos da Rússia em Moscou, Steve Rosenberg, disse que o presidente Putin não parece ter saído mais forte dos eventos de sábado. Ele justifica que essa visão sobre um Putin mais fraco ocorre porque o Grupo Wagner conseguiu assumir o controle de instalações militares em uma grande cidade russa com aparente facilidade e depois avançou em direção a Moscou, antes do acordo que suspendeu o motim. E Prigozhin segue como um homem livre – apesar de tentar derrubar a liderança militar da Rússia. - Este texto foi publicado em: https://ift.tt/tKXTcYR

source https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/06/26/motim-de-mercenarios-mostra-rachaduras-na-autoridade-de-putin-avalia-secretario-dos-eua.ghtml
Close Menu