Ciclos menstruais irregulares estão associados a maiores riscos de doenças cardiovasculares, diz estudo

Mulheres com ciclos menstruais irregulares ou longos podem enfrentar um risco maior de doença cardiovascular, sugere um novo estudo.

Ciclos mais curtos do que o normal – menos de 21 dias – e ciclos mais longos do que o normal – mais de 35 dias – foram associados a um maior risco de doença cardiovascular e fibrilação atrial, ou batimentos cardíacos irregulares, de acordo com o estudo publicado no Jornal da American Heart Association. Um ciclo menstrual foi medido como o número de dias entre cada período menstrual.

Especificamente, “a longa duração do ciclo menstrual foi associada a riscos aumentados de fibrilação atrial, mas não de infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral”, escreveram os pesquisadores, e ciclos mais curtos foram associados a um maior risco de doença cardíaca coronária e infarto do miocárdio ou ataque cardíaco.

Algumas perguntas permanecem.

Embora “mulheres com disfunção do ciclo menstrual possam sofrer consequências adversas para a saúde cardiovascular”, a natureza exata dessa relação e o que está por trás disso permanece desconhecida, disse a autora do estudo, Huijie Zhang, médica-chefe e professora do Hospital Nanfang da Southern Medical University na China, em um e-mail.

Ainda assim, os resultados do estudo indicam que “é hora” de aumentar a conscientização sobre a importância de monitorar as características do ciclo menstrual ao longo da vida reprodutiva de uma pessoa, disse Zhang.

No geral, cerca de 14% a 25% das mulheres têm ciclos menstruais irregulares em todo o mundo, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH em inglês) dos Estados Unidos.

Análise

Os pesquisadores, baseados na China, analisaram dados de saúde de 58.056 mulheres no Reino Unido. As mulheres, com idades entre 40 e 69 anos, relataram em questionários a duração e a regularidade de seus ciclos menstruais ao longo do tempo e outras informações médicas ao longo de cerca de 12 anos.

Entre as mulheres, 39.582 relataram ciclos menstruais regulares e 18.474 relataram ciclos irregulares ou ausência de menstruação. Os pesquisadores descobriram que 2,5% das mulheres com ciclos regulares desenvolveram doenças cardiovasculares, em comparação com 3,4% daquelas com ciclos irregulares.

Ciclos menstruais irregulares foram associados a riscos aumentados de doenças cardiovasculares, apesar de outros fatores de risco, como “idade, raça e etnia, IMC, tabagismo, consumo de álcool, atividade física, histórico de uso de anticoncepcionais orais”, escreveram os pesquisadores.

Os dados também mostraram que 0,56% daquelas com ciclos regulares desenvolveram fibrilação atrial, em comparação com 0,92% daquelas com ciclos irregulares.

E os pesquisadores descobriram que cerca de 1,3% das pessoas com ciclos regulares desenvolveram doença cardíaca coronária, em comparação com 1,7% das pessoas com ciclos irregulares. Cerca de 0,29% tiveram ataques cardíacos, em comparação com 0,45% daquelas com ciclos irregulares.

‘Outro sinal vital’

As descobertas não surpreenderam a pesquisadora Stephanie Faubion, diretora do Centro de Saúde da Mulher da Mayo Clinic e diretora médica da North American Menopause Society.

“Existem evidências acumuladas de que os ciclos menstruais irregulares não são saudáveis e, de fato, podem ser considerados outro sinal vital para as mulheres – e a menstruação irregular deveria estar levando as pessoas a pensar sobre o risco cardiovascular em mulheres”, disse Stephanie, que não esteve envolvida no novo estudo.

A orientação emitida em 2015 pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas diz que os médicos devem tratar o ciclo menstrual em adolescentes como um sinal vital adicional. Assim como a temperatura e o pulso, deve ser usado para avaliar a saúde geral, e os médicos devem tentar identificar padrões menstruais anormais na adolescência.

Stephanie disse que os estudos encontraram uma associação entre ciclos menstruais irregulares e marcadores de risco de doenças cardíacas, como resistência à insulina, colesterol alto, pressão alta e inflamação crônica. No entanto, o que está por trás dessas associações permanece obscuro.

“O mecanismo exato por trás disso, não sabemos”, disse Stephanie, mas os ciclos menstruais ainda devem ser considerados um “marcador” da saúde geral.

“E se você não está menstruando regularmente, seu profissional de saúde deve investigar por que você não está menstruando regularmente”, disse ela. “Parte disso é orientar os profissionais de saúde de que os ciclos menstruais são outro sinal vital para as mulheres.”

Mais pesquisas são necessárias para entender melhor essa associação entre a saúde cardiovascular e a duração e regularidade do ciclo menstrual, disse a cardiologista Nieca Goldberg, diretora médica do Atria New York City e professora clínica associada de medicina na NYU Grossman School of Medicine, que não participou no novo estudo.

Ela disse em um e-mail que alguns estudos encontraram uma associação entre ciclos menstruais mais curtos e resistência à insulina e anormalidades lipídicas – mas as razões são elusivas.

“Ciclos curtos estão associados a níveis mais baixos de estrogênio que afetam os níveis lipídicos e a resistência à insulina. O risco de fibrilação atrial pode estar relacionado a alterações hormonais e sua influência nos eletrocardiogramas”, escreveu Nieca. “Está claro que a pesquisa contínua na área do ciclo menstrual e risco cardiovascular é importante para as mulheres e prova que nosso trabalho não é feito na avaliação de fatores de risco para doenças cardiovasculares em mulheres”, conclui.

(Com informações de Madeline Holcombe e Katie Hunt, da CNN)

Este conteúdo foi originalmente publicado em Ciclos menstruais irregulares estão associados a maiores riscos de doenças cardiovasculares, diz estudo no site CNN Brasil.



from CNN Brasil https://ift.tt/pyJmnuQ
via IFTTT
Close Menu